Dólar comercial abre em baixa de 0,05% a R$ 2,17

O dólar comercial começou o dia em leve baixa (-0,05%) no mercado interbancário, negociado a R$ 2,17 nas transações de liquidação à vista. O resultado da eleição, de que a disputa pela Presidência ficou para o segundo turno, é o destaque para o mercado doméstico de câmbio. Deve causar impacto moderado nos preços do dólar, segundo operadores. O mercado fechou a sexta-feira passada zerado. A volta à tranqüilidade vista antes do início da corrida eleitoral, prevista em caso de vitória de Lula no primeiro turno, foi postergada. E essa era a hipótese mais precificada pelos mercados. Sobraram outros dois cenários. Um deles, de que Geraldo Alckmin consiga continuar a crescer e venha a ser o próximo presidente. Embora considerem essa a hipótese menos provável, esse é, no fundo, o cenário mais positivo na opinião do mercado financeiro e se os acontecimentos apontarem nessa direção, os investidores tendem a comemorar. Mas o cenário mais provável ainda é de que Lula venha a ganhar. E, dias atrás, a reeleição em segundo turno era o quadro que gerava maior incerteza ao mercado. Isso porque, depois que os escândalos do dossiê estouraram, os analistas ficaram com medo que Lula tenha que encarar um segundo mandato sem apoio, o que comprometeria a governabilidade. Por isso, o decorrer da campanha do segundo turno será monitorada com toda a tenção e pode gerar volatilidade. O mercado olha também para a cena externa nesta manhã, com as principais bolsas operando em queda.

Agencia Estado,

02 de outubro de 2006 | 10h02

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.