Dólar comercial abre em baixa de 0,19% a R$ 1,552

O dólar comercial abriu hoje em baixa de 0,19%, a R$ 1,552, no mercado interbancário de câmbio. Às 10h10, a moeda norte-americana cedia 0,26%, a R$ 1,551, nas primeiras transações desta segunda-feira. Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o dólar negociado à vista estava em queda de 0,26%, a R$ 1,5506 . O euro comercial, em queda de 0,18%, valia R$ 2,229.

PATRICIA LARA, Agencia Estado

25 de julho de 2011 | 10h14

O mercado cambial doméstico continua respondendo à evolução das discussões sobre a dívida norte-americana, mas tem espaço para testar novas mínimas frente ao real. Enquanto o dólar deveria sofrer com uma eventual perspectiva de rebaixamento do rating (classificação de risco) dos EUA, diante do impasse sobre o teto do endividamento do país, o ambiente de aversão ao risco traz um natural suporte à moeda que ainda serve de principal veículo de reserva do mundo. No âmbito doméstico, segundo uma fonte, o câmbio repercute ainda comentários da presidente Dilma Rousseff de que os problemas de sobrevalorização do real preocupam. Mas a presidente avaliou que não pode tomar nenhuma medida precipitada sem olhar com cuidado o cenário internacional.

Na sexta-feira, o dólar tocou a mínima de R$ 1,551 (baixa de 0,26%), mas fechou estável a R$ 1,555.

De acordo com reportagens publicadas na última sexta-feira pela Agência Estado, os problemas de sobrevalorização do real preocupam a presidente Dilma Rousseff, mas ela avalia que não pode tomar nenhuma medida precipitada sem olhar com cuidado o cenário internacional. "Você acha que a gente pode fazer alguma coisa no momento em que não sabe se o pessoal está brincando na beira do abismo ou se já conseguiu criar uma rede de proteção?", perguntou, em alusão à crise na Europa e nos EUA. "Nós nem sabemos se vai ter default (moratória) nos Estados Unidos."

Em relação à dívida dos EUA, não faltou negociação entre os democratas e republicanos no fim de semana, mas nenhum acordo emergiu sobre a elevação do teto do endividamento. Com o impasse se mantendo mesmo com a aproximação do limite de 2 de agosto, o dólar foi negociado nas mínimas de quatro meses ante o iene, a 78,04 ienes, e atingiu mínimas recordes frente ao franco suíço. O dólar foi a 0,8021 franco suíço, na medida em que os investidores afastam-se do dólar em favor de estratégias de baixo risco, o que também limitou a demanda por moedas relacionadas a países exportadores de commodities na Ásia e Oceania.

Tudo o que sabemos sobre:
dólareurocâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.