Dólar comercial abre em queda de 0,05%, a R$ 1,86

Na BM&F, dólar à vista abriu as negociações em alta de 0,28%, a R$ 1,8612

Cristina Canas, da Agência Estado,

24 de maio de 2010 | 10h14

O dólar comercial abriu o dia em baixa de 0,05%, negociado a R$ 1,86 no mercado interbancário de câmbio. No pregão de sexta-feira, a moeda norte-americana fechou em queda de 0,05%, cotada a R$ 1,861. Na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), o dólar com liquidação à vista abriu as negociações em alta de 0,28%, a R$ 1,8612. Às 10h31, a moeda norte-americana registra perda de 0,75%, a R$ 1,847.

Hoje, a discussão em relação à sobrevalorização do real, que retornou à cena no fim de semana, não deve fazer preço. O tema reapareceu em pelo menos dois momentos: um estudo de um grupo de economistas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que conclui que a "doença holandesa" está provocando a desindustrialização do País; e uma entrevista do diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, que se disse preocupado com o superaquecimento da economia brasileira.

Para os negócios do dia, a perspectiva é de que o dólar continue a ser procurado pelos investidores que querem diminuir a exposição ao risco. Até porque a discussão sobre ajustes fiscais e problemas no sistema financeiro da Europa é realimentada na manhã de hoje pela Espanha. Além das manifestações da população contra ajustes econômicos, a notícia da intervenção do governo em um banco de poupança esquenta os ânimos.

Por enquanto, a percepção é de que o mercado internacional continuará enxuto, o que tende a limitar os fluxos de capital para o Brasil. Mas os economistas mantêm a avaliação de que o cenário mais provável não é o de deterioração internacional. Portanto, a expectativa é de que, acalmados os ânimos em relação à Europa, o real volte a apreciar em relação ao dólar.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarcâmbiocomercialBM&Fabertura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.