Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Dólar comercial abre estável a R$ 1,76

Às 10h25, no entanto, a divisa registrava queda de 0,23% cotada a R$ 1,7560

Cristina Canas, da Agência Estado,

31 de agosto de 2010 | 10h00

O dólar comercial abriu o dia estável, negociado a R$ 1,76 no mercado interbancário de câmbio. No pregão de ontem, a moeda norte-americana fechou em alta de 0,40%, cotada a R$ 1,76. Às 10h25, no entanto, a divisa registrava queda de 0,23% cotada a R$ 1,7560. Na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), o dólar com liquidação à vista abriu as negociações em alta de 0,03%, a R$ 1,7601.

Hoje, os investidores vão tentar encontrar na ata do Comitê Federal do Mercado Aberto (Fomc), do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), a ser divulgada às 15 horas, incentivos para retomar o otimismo. O efeito positivo da fala do presidente do banco central norte-americano, Ben Bernanke, na semana passada, já se esgotou. Desde ontem, os mercados mostram desalento em relação às perspectivas para a economia global.

No Brasil, o movimento do câmbio durante o dia deve ter influência forte de questões técnicas envolvendo a formação da ptax - a taxa de câmbio calculada pelo Banco Central (BC) e que serve como referência para os contratos futuros de dólar, que vencem amanhã. No entanto, a alta menor do dólar em relação ao real - na comparação com outras moedas - não é exclusividade do pregão de hoje e não pode ser atribuída exclusivamente à formação da ptax. Esse comportamento tem sido constante e está ancorado nas expectativas positivas de fluxo, principalmente em função da operação de capitalização da Petrobras.

Mais cedo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a produção industrial de julho teve alta de 0,40% em relação a junho e de 8,70% ante julho de 2009. Nas duas comparações, o resultado é inferior à mediana das estimativas dos analistas, de 0,80% e 9,18%, respectivamente.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarcâmbiocomercialBM&F

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.