Dólar comercial fecha a R$ 2,157, alta de 0,14%

O dólar comercial fechou a R$ 2,157, em alta de 0,14%. A moeda americana oscilou entre a mínima de R$ 2,149, registrada na abertura, e a máxima de R$ 2,163, atingida perto do final da manhã. No pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros, o dólar negociado à vista terminou com alta de 0,05%, a R$ 2,154. O presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben Bernanke, discursou hoje, mas não abordou a situação econômica atual. E o mercado de câmbio doméstico resolveu manter-se cauteloso, já que há um final de semana pela frente e as questões que preocupam os investidores no mundo todo seguem sem resposta. Em relação à atividade econômica norte-americana, permanece a idéia de que ela está em desaceleração, mas há dúvidas sobre o ritmo e em relação ao impacto que isso tem na inflação. O Irã, embora tenha saído do foco das análises, continua como pano de fundo para os negócios e é fator de tensão. As expectativas para o pronunciamento de Bernanke eram bem grandes. Os investidores esperavam que, como já fez no passado, o presidente do Fed usasse o seu compromisso público de hoje para enviar algum recado ao mercado, que demonstra insegurança e nervosismo há tempos. Mas, desta vez, o comandante da política monetária dos EUA silenciou sobre os assuntos de maior interesse do mercado, limitando-se a opinar sobre o tema Integração Econômica Global, do seminário econômico anual do Federal Reserve Bank de Kansas City, do qual participou às 11 horas (de Brasília). Perante a frustração com a fala de Bernanke, os investidores em dólar deram prosseguimento a movimentos de realização de lucros, fazendo as cotações subirem, embora o fluxo tenha sido positivo, mais uma vez. As entradas ocorreram pelo segmento comercial, mas não foram grandes, segundo operadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.