Dólar comercial fecha a R$ 2,198, o menor nível em 8 meses

Queda de 0,32% foi causada por temor de forte recuo da cotação no curto prazo, que levou investidores 'comprados' a venderem ativos

Clarissa Mangueira , Agência Estado

26 de junho de 2014 | 17h11

SÃO PAULO - O dólar fechou em queda o pregão desta quinta-feira, 26, no menor patamar desde 30 de outubro de 2013, após passar grande parte da tarde perto da estabilidade e operando em intervalos estreitos. Operadores atribuem o declínio na reta final da sessão ao acionamento de ordens de stop loss após a moeda atingir o nível de R$ 2,20. Ou seja, dado o temor de uma queda ainda maior da cotação no curto prazo, investidores "comprados" venderam seus ativos para não perder rendimentos. Desse modo, fizeram com que o nível do câmbio recuasse.

No fim da negociação no balcão, o dólar à vista terminou em baixa de 0,36%, para R$ 2,1980, menor patamar desde 30 de outubro de 2013. O giro de negócios somou US$ 1,638 bilhão, sendo US$ 1,554 bilhão em D+2. No mercado futuro, o dólar para julho era negociado a R$ 2,1995 (-0,50%). 

A dólar abriu a sessão em alta, impulsionado pelas revisões do relatório do Banco Central, mas devolveu os ganhos durante a sessão. Operadores afirmaram que o mercado ficou de lado durante algum tempo, esperando a disputa da formação Ptax de fim de mês na segunda-feira, que deverá ganhar força nesta sexta-feira, 27. Segundo eles, a decisão do BC de estender o programa de leilões de swaps cambiais para pelo menos até o fim do ano.

O relatório do BC, divulgado pela manhã, mostrou que a previsão para o IPCA em 2014, no cenário de referência, subiu de 6,1% no relatório anterior para 6,4%. A projeção para a inflação em 2015 foi elevada de 5,5% para 5,7%, no mesmo cenário. Essas estimativas contemplam uma cotação do dólar de R$ 2,25, valor menor que o usado no documento anterior, de R$ 2,35. Para o PIB, o BC a projeção foi revisada para crescimento de 1,6% em 2014, de uma projeção anterior de alta de 2,0%. O BC também projetou uma alta de 1,8% do PIB até o primeiro trimestre de 2015.

Ainda na primeira parte do pregão, os leilões de swap cambial do BC ajudaram a limitar os ganhos da moeda norte-americana. Na primeira operação, a autoridade negociou os 4.000 contratos ofertados, no total de US$ 198,4 milhões. Na segunda operação, para rolagem, o BC vendeu 10 mil contratos, equivalentes a US$ 494,3 milhões. Para o vencimento de 4 de maio de 2015, foram vendidos 4.900 contratos, no total de US$ 242,5 milhões. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.