Dólar comercial passa a subir

Moeda mudou de sinal, após intervenção do Banco Central, que realizou leilão de compra de moeda a termo

Cristina Canas, da Agência Estado,

23 de fevereiro de 2011 | 10h07

O dólar comercial abriu o dia em queda de 0,18%, negociado a R$ 1,669 no mercado interbancário de câmbio. Às 12h56, a divisa subia 0,06%, a R$ 1,673, após leilão no mercado a termo, realizado pelo Banco Central (BC).

O BC continua tentando surpreender o mercado fazendo diferentes tipos de leilão de compra de dólares, em horários diversos, a cada pregão, mudando a postura previsível assumida desde meados de janeiro. Ontem, o BC atuou por meio da oferta de swaps cambiais (operações de troca) e na compra de dólares no mercado à vista, no período da tarde. A alteração de estratégia está se mostrando bem sucedida.

"O BC está tentando quebrar a previsibilidade, intercalando o uso dos instrumentos que tem disponível", pontuou um operador, elogiando a mudança. Com a atitude anterior, quando mantinha dois leilões de compra de dólares no mercado à vista - um pela manhã e outro à tarde - intercalando ofertas de swap e termo, o BC havia provocado uma diminuição das oportunidades de negócio por parte dos especuladores do mercado doméstico de câmbio. Além disso, a estratégia fez a liquidez dos negócios cair. Isso estava gerando uma série de reclamações por parte dos profissionais do mercado - o que agora vem diminuindo.

Ainda assim, a percepção geral das condições de negócios com câmbio segue a mesma. A aposta é de que o fluxo permanece positivo e a avaliação é de que o BC continua disposto a absorver os dólares excedentes para evitar apreciação rápida do real. Por isso, a queda do dólar ainda é limitada pela certeza das atuações do BC.

Apesar de as tensões internacionais crescerem, depois que Muamar Kadafi avisou que enfrentará o movimento pela democratização da Líbia e a Europa ameaçar com a possibilidade de sanções, o dólar cai no mercado internacional. O sentimento de aversão ao risco dá sinais de que parou de crescer, pelo menos por enquanto. As bolsas estão no negativo, mas longe de mostrar a intensidade de ontem. O petróleo também sobe, mas em magnitude menor.

Texto atualizado às 12h56.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarcâmbiocomercialBM&F

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.