Dólar comercial sobe 0,65% e encerra a R$ 2,152

O dólar comercial fechou na máxima a R$ 2,152, em alta de 0,65%. A mínima cotação do dia foi de R$ 2,129. No pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o dólar negociado à vista também fechou na máxima, a R$ 2,151 (+0,61%). O mercado de câmbio viveu dois momentos distintos hoje. Inicialmente, usufruía dos bons ventos dos fundamentos internos e retomava a tendência de queda que prevalece há muito. Posteriormente, porém, começou a elevar o valor do dólar. O divisor de águas foi a segunda interpretação dada aos números norte-americanos, que mostraram desaceleração da economia acima do esperado. Os indicadores mais olhados foram os referentes ao mercado imobiliário. Conforme divulgou a Associação Nacional dos Corretores de Imóveis dos EUA, as revendas de imóveis existentes caíram 4,1% no mês de julho, para uma média anualizada de 6,33 milhões de unidades. O recuo foi maior do que esperavam os analistas, segundo diversas pesquisas realizadas e que apontavam variação entre 6,55 milhões de unidades e 6,58 milhões de unidades. Durante a tarde, o dólar ainda intensificou a valorização, à espera da atuação do Banco Central no mercado, comprando moeda. O BC realizou leilão perto do fim do pregão (entre as 15h31 e as 15h41) e pagou taxa de corte de R$ 2,147.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.