Dólar comercial sobe 0,72% e encerra cotado a R$ 2,108

O dólar registrou valorização hoje, impulsionado pelas compras do Banco Central, realizada em leilão esta tarde. No mercado interbancário, o dólar comercial subiu 0,72%, para R$ 2,108. No pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros, o dólar negociado à vista avançou 0,69%, para fechar cotado também a R$ 2,108. As cotações ampliaram a alta após o leilão, refletindo a reação das tesourarias à postura do BC, que voltou a mostrar agressividade, ao menos em relação ao número de propostas aceitas. Cerca de 13 propostas foram aceitas hoje, ante um total de 18 propostas apresentadas, com taxas declaradas que variaram de R$ 2,099 a R$ 2,103. Além disso, o BC pagou taxa de corte de R$ 2,102, equivalente ao preço da moeda norte-americana na BM&F durante o leilão, de R$ 2,101. Esse comportamento gerou um aumento de demanda no mercado, que sustentou a valorização da moeda. "Diante dessa postura do BC, as tesourarias interpretaram que o volume da compra pode ter sido alto, por isso, houve uma corrida (de venda da moeda por aqueles investidores que até então apostavam que ela continuaria caindo)", justificou um operador. Logo após o leilão, o dólar renovou diversas vezes as cotações máximas do dia, até atingir o topo de R$ 2,110 (alta de 0,79%) na BM&F e de R$ 2,111 (alta de 0,86%) no mercado interbancário (dólar comercial).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.