Dólar é pressionado por piora nas Bolsas

O dólar renovou as máximas esta tarde na esteira da cotação mínima registrada pelo Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, que acompanhou a queda das Bolsas em Nova York. A piora nos mercados aconteceu em reação às declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) de Chicago, Michael Moskow, e do presidente do Fed de Atlanta, Jack Guynn, de que não há recuo no compromisso do Fed em combater a inflação e de que a política monetária é orientada pelos indicadores. Moskow destacou que o núcleo da inflação vai baixar, mas os riscos permanecem. A expectativa pelo leilão de compra do Banco Central daqui a pouco também ajuda a dar sustentação ao dólar. Nas máximas, por volta das 15 horas, o dólar negociado à vista no pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros subiu até R$ 2,139 (+0,33%). No mercado interbancário, o dólar comercial avançou a R$ 2,138 (+0,28%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.