Gary Cameron/Reuters
Gary Cameron/Reuters

Dólar fecha em baixa de 1,27%, a R$ 4,6081, o menor valor em dois anos

Esta foi a terceira baixa consecutiva da moeda norte-americana no mercado doméstico de câmbio; Ibovespa caiu 0,24%, na casa dos 121 mil pontos

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2022 | 18h55

O dólar encerrou a sessão desta segunda-feira, 4,  em queda de 1,27%, cotado a R$ 4,6081 - o menor valor de fechamento desde quatro de março de 2020 (R$ 4,5801). Esta foi a terceira baixa consecutiva da moeda norte-americana no mercado doméstico de câmbio, em um dia marcado por apetite ao risco no exterior, alta das commodities e perdas do dólar frente a divisas emergentes pares do real.

Exceto pelo por uma alta pontual logo após a abertura, o dólar à vista operou em queda em toda a sessão. A mínima do dia foi alcançada pela manhã, de -1,31%, com cotação de R$ 4,6060. Ao longo da tarde, a moeda norte-americana trabalhou na casa R$ 4,61, até ceder aos R$ 4,6081 do fechamento.

"A grande história dos emergentes em 2022 não é a do rublo russo, mas a da reprecificação do real, após longo período de uma grande subvalorizacão", afirmou no Twitter o economista-chefe do Instituto Finanças internacionais (IIF), Robin Brooks, que mantém preço justo de R$ 4,50 para a taxa de câmbio. "A última vez que o real apresentou esta força foi em março de 2022, justamente quando a primeira onda de covid estava fechando a economia global. O real foi punido de forma injusta nos últimos dois anos".

Além do real, o dólar caiu frente a divisas emergentes como os pesos mexicano, chileno, colombiano e ao rand sul-africano. O rublo russo também se recuperou hoje, com ganhos superiores a 3%, embora ainda amargue queda de dois dígitos neste ano.

Na Bolsa, o Ibovespa perdeu a carona do exterior positivo nesta segunda-feira e fechou a sessão em baixa de 0,24%, aos 121.279,51 pontos, com giro financeiro de R$ 21,8 bilhões. Ao longo do dia, o principal índice da B3 oscilou entre mínima de 120.753,69 à máxima de 121.570,09. Nas duas primeiras sessões de abril, o Ibovespa acumula ganho de 1,07%, com alta de 15,70% no acumulado de 2022.

Apesar do fortalecimento do real em relação ao dólar, e da recuperação do petróleo, as incertezas sobre a troca de comando na Petrobras mantiveram as ações da estatal no vermelho ao longo da sessão, limitando o ajuste do índice à tarde, o que contribuiu para que o Ibovespa fechasse acima dos 121 mil pontos pelo segundo dia, ainda nos maiores níveis desde meados de agosto passado.

De acordo com a B3, os investidores estrangeiros ingressaram com R$ 21,355 bilhões no mês de março. Em razão de um ajuste de metodologia, o fluxo positivo para renda variável em 2022 caiu de R$ 91,1 bilhões para R$ 64,1 bilhões, ainda um nível elevado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.