Dólar fecha em alta com dados fiscais ruins do governo

O avanço da moeda foi acentuado no período da tarde em meio a um giro contido em função da proximidade do fim de semana no Brasil e da liquidez também menor nos EUA, após o feriado do Dia de Ação de Graças, nesta quinta

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

29 de novembro de 2013 | 17h05

Os dados ruins das contas do governo deram força para o dólar fechar em alta ante o real no mercado à vista, nesta sexta-feira, 29, após a moeda americana acentuar os ganhos. O dólar à vista iniciou o pregão com volatilidade, à espera da formação da Ptax do mês, mas conseguiu subir ante o real, apoiado pelo resultado fiscal do governo.

Segundo o Banco Central, o setor público consolidado teve um superávit primário de R$ 6,188 bilhões em outubro, o que marcou uma reversão em relação ao déficit de R$ 9,048 bilhões registrado em setembro, mas ficou abaixo da mediana das previsões de analistas. Em outubro do ano passado, o setor público apresentou superávit de R$ 12,398 bilhões, praticamente o dobro do verificado agora.

Nesta quinta-feira, 28, o Tesouro Nacional já havia mostrado que o superávit do Governo Central em outubro foi de R$ 5,436 bilhões, inferior ao piso das projeções, que era de R$ 6 bilhões, e o pior resultado para este mês desde 2004. Os números somados intensificaram o mau humor em relação à situação das contas do Brasil, devido a temores de um corte no rating do País por agências de classificação de risco.

O avanço da moeda foi acentuado no período da tarde em meio a um giro contido em função da proximidade do fim de semana no Brasil e da liquidez também menor nos EUA, após o feriado do Dia de Ação de Graças, nesta quinta. No fim da negociação, o dólar subiu 0,73%, para R$ 2,3360, marcando quatro sessões seguidas de alta. O giro à vista somava 1,016 bilhão. Na semana, a moeda acumulou alta de 2,23% e, no mês, avanço de 4,71%. No mercado futuro, o dólar para dezembro avançava 0,24%, para R$ 2,3245.

Tudo o que sabemos sobre:
Dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.