Dólar fecha em leve queda após fluxo cambial positivo no começo de março

Moeda interrompeu uma sequência de três altas consecutivas diante do real e recuou 0,13%, cotada a R$ 2,36 

Márcio Rodrigues, da Agência Estado,

12 de março de 2014 | 17h00

O dólar interrompeu hoje uma sequência de três altas consecutivas diante do real, período no qual acumulou valorização de quase 2%, e recuou 0,13%, cotado a R$ 2,360 no mercado à vista de balcão. O movimento esteve relacionado não apenas a uma pressão menor vinda do exterior, mas principalmente ao fluxo cambial positivo verificado na primeira semana de março.

A moeda dos EUA oscilou bastante ao longo do dia, ora em alta, junto com o exterior, ora em baixa, influenciada entre outros fatores pelos leilões de swap cambial do Banco Central. Do meio da tarde para frente, porém, o dólar perdeu um pouco de vigor ante as demais divisas ligadas a commodities e emergentes, o que, somado ao fluxo cambial positivo conhecido na hora do almoço, definiu o rumo de baixa da moeda. O dólar futuro para abril recuava 0,27% perto de 16h30, a R$ 2,33715, com giro financeiro de US$ 13,28 bilhões. Na clearing de câmbio da BM&FBovespa, o movimento no horário acima era de US$ 937,7 milhões.

O fluxo cambial mostrou forte reversão neste começo de mês, depois de ficar negativo em US$ 1,856 bilhão em fevereiro. Segundo o Banco Central, a entrada líquida de recursos no País em março até o dia 7 somou US$ 2,702 bilhões, resultado de um fluxo positivo de US$ 2,505 bilhões da área financeira, somado ao ingresso de US$ 198 milhões do segmento comercial. Agora, no acumulado do ano, o fluxo está positivo em US$ 2,457 bilhões. Hoje, inclusive, o presidente do BC, Alexandre Tombini, disse que os fluxos de investimentos estrangeiros "continuam fortes nos primeiros dias úteis de março".

Logo cedo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA de fevereiro subiu 0,69%, dentro das estimativas e um pouco acima da mediana encontrada pelo AE Projeções, de 0,65%. O indicador de difusão do IPCA, segundo cálculos da Rosenberg & Associados, caiu para 63,6% no índice de fevereiro, após bater em 71,5% no mês anterior.

Tudo o que sabemos sobre:
câmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.