Dólar fecha em queda, com quadro externo mais calmo

O dólar comercial fechou em queda de 0,37% em relação à véspera, cotado a R$ 2,154. O discurso do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, na Câmara Americana de Comércio (Amcham), na avaliação de alguns operadores, não trouxe fatos novos, por isso, o mercado manteve o sentimento de cautela em relação à situação do ministro e à trajetória dos juros nos Estados Unidos (EUA). Esta manhã, os números referentes às vendas de imóveis novos ficaram abaixo das estimativas e os investidores derrubaram as taxas dos títulos do Tesouro Norte-americano (Treasuries). É praticamente um consenso há tempos que o juro básico dos EUA será elevado em 0,25 ponto porcentual na próxima terça-feira nos EUA. Mas o mercado ainda se mostra dividido em relação à reunião seguinte do BC americano. Após forte oscilação, o dólar negociado no pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) encerrou perto da estabilidade, em queda de 0,09%, a R$ 2,16. Foram registrados 153 negócios, com volume financeiro de US$ 246 milhões. A moeda norte-americana abriu em alta de 0,69%, a R$ 2,177; e oscilou 1,26%, entre a menor cotação do dia, de R$ 2,152 (-0,46%), e a maior, de R$ 2,179 (+0,79%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.