Dólar fecha em queda com realização de lucro e em linha com exterior

 Operadores acreditam que o Banco Central tende a continuar operando para manter o dólar mais fraco a fim de segurar a inflação

Álvaro Campos, da Agência Estado,

14 de abril de 2014 | 17h05

O dólar à vista fechou em leve queda nesta segunda-feira, 14. Além de conduzirem uma realização de lucros, após a moeda norte-americana ter acumulado alta de 1,00% nas duas sessões anteriores, os operadores acreditam que o Banco Central tende a continuar operando para manter o dólar mais fraco a fim de segurar a inflação.

Mesmo com o presidente do BC, Alexandre Tombini, tendo dito neste fim de semana em Washington que, com a normalização das condições monetárias globais, o Brasil poderá voltar à estratégia original de isolar a política monetária, com a acumulação de reservas, a persistência da inflação deixa os participantes do mercado céticos.

Um gerente da mesa de derivativos de uma corretora diz que o ajuste negativo do dólar se deve também à percepção de que o BC tende a manter as ofertas de swap cambial, apesar de os bancos já darem sinais de cansaço dessas operações. "A oferta de swap cambial já está pesada, mas o BC não anunciou até agora nenhuma redução nos volumes ofertados na rolagem do vencimento de maio de 2014, porque a inflação continua incomodando e o mercado não descarta mais uma alta de 0,25 ponto porcentual da Selic no mês que vem, a 11,25% ao ano", explica.

Hoje, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) informou que o resultado da balança comercial na segunda semanal de abril ficou positivo em US$ 522 milhões, com exportações de US$ 4,672 bilhões e importações de US$ 4,150 bilhões. Mas no acumulado do ano até agora o Brasil tem déficit de US$ 6,020 bilhões.

O dólar à vista no balcão terminou a sessão cotado a R$ 2,2170, uma queda de 0,14%. Por volta das 16h30, o giro estava em torno de US$ 1,30 bilhão, segundo dados da clearing de câmbio da BM&FBovespa. No mercado futuro, o dólar para maio tinha desvalorização de 0,11%, a R$ 2,2255. O volume de negociação era de quase US$ 9,82 bilhões.

No exterior, o dólar subia 0,10% em relação ao dólar neozelandês e ganhava 0,27% em relação à lira turca, mas caía ante outras moedas emergentes e de países exportadores de commodities, como o dólar australiano (-0,33%) e o dólar canadense (-0,14%). Já o índice ICE Dollar, que pesa a moeda norte-americana ante uma cesta de seis principais rivais, subia 0,34%.

Tudo o que sabemos sobre:
Dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.