Dólar fecha em queda de 0,70%, a R$ 2,415, após comentários de Tombini

Presidente do BC afirmou que as reservas cambiais poderão ser usadas para amenizar o impacto da desvalorização do real na economia

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

13 de fevereiro de 2014 | 17h05

O dólar terminou a sessão desta quinta-feira, 13, em baixa, refletindo declarações do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, que sinalizaram que a autoridade monetária está comprometida em conter a inflação. O dólar caiu 0,70% no mercado à vista de balcão, cotado a R$ 2,4060. No mercado futuro, o dólar recuava 0,92%, a R$ 2,4150.

O dólar foi pressionado pela afirmação de Tombini de que as reservas cambiais do País poderão ser usadas para amenizar o impacto da desvalorização do real na economia. De acordo com um profissional da área de câmbio, as declarações podem indicar que o BC impedirá que o dólar atinja um nível maior. Um dólar mais fraco também ajudaria no controle da inflação.

Tombini afirmou ainda que o BC ajustará seus instrumentos para trazer a inflação para baixo. A afirmação foi vista como um sinal de que o fim do ciclo de aperto monetário pode não estar tão perto quanto se esperava.

A queda do dólar ante algumas divisas emergentes no exterior, devido à divulgação de dados fracos da economia americana, também favoreceu o declínio da moeda dos EUA no mercado de câmbio doméstico.

As vendas no varejo dos EUA recuaram 0,4% em janeiro, ante expectativa de queda de 0,1%. As vendas de novembro e dezembro foram revisadas para baixo, levando economistas a cortarem suas projeções de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) americano neste primeiro trimestre e também no último trimestre do ano passado.

Além disso, os pedidos de auxílio-desemprego subiram para 339 mil na semana encerrada em 8 de outubro, contra previsão que ficassem em 330 mil.

Tudo o que sabemos sobre:
dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.