Dólar interrompe sequência de seis altas e recua 0,56%

Especulações em torno do resultado da pesquisa Ibope sobre a corrida presidencial trouxeram a moeda para R$ 2,329

Denise Abarca, O Estado de S. Paulo

16 de setembro de 2014 | 17h10

O dólar à vista no balcão fechou em queda de 0,56%, cotado e R$ 2,3290, encerrando a sequência de seis sessões consecutivas de alta, período em que acumulou valorização de 4,41%. Vários fatores abriram espaço para uma realização de lucros no câmbio doméstico, sobretudo no segmento futuro, nesta terça-feira, entre eles as especulações em torno do que mostrará a pesquisa Ibope sobre a corrida presidencial e o comportamento de queda da moeda no exterior.

Na mínima, o dólar atingiu R$ 2,3200 (-0,94%), no início da tarde, e na máxima, pela manhã, ficou estável em R$ 2,3420. O giro no mercado à vista era fraco, somando US$ 600 milhões, sendo US$ 465 milhões em D+2 perto das 16h30. No mercado futuro, a moeda para outubro era negociada em R$ 2,339 (-0,57%).

O dólar abriu em queda comedida, mas acelerou durante a manhã, quando as mesas de operação foram dominadas pelas especulações de que a candidata do PSB, Marina Silva, apareceria na pesquisa Ibope mais à frente da candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) do que mostraram os recentes levantamentos em um eventual segundo turno. A pesquisa, encomendada pelo Estado e pela Rede Globo, será divulgada esta noite no Jornal Nacional.

Contudo, as mínimas em relação ao real foram renovadas à tarde, na medida em que o dólar acelerava a queda ante as demais moedas. Este movimento, por sua vez, ocorreu na esteira de comentários do colunista do Wall Street Journal Jon Hilsenrath, especialista em Federal Reserve, durante uma conferência via internet. Ele disse acreditar que o Fed voltará a reiterar amanhã, quando terminará sua reunião de política monetária, que as taxas de juros vão continuar baixas "por um período de tempo considerável". Desde a semana passada, o mercado vinha precificando um comunicado mais "hawkish" do BC norte-americano, indicando que uma alta na taxa dos Fed Funds estaria mais próxima do que o imaginado.

Também pesou para a aceleração da queda do dólar à tarde a informação de que o Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) disponibilizou uma linha de crédito de 500 bilhões de yuans (US$ 81 bilhões) para auxiliar os cinco maiores bancos do país. Perto das 16h30, o dólar avançava a 101,16 ienes, enquanto o euro subia a US$ 1,296. Ante as divisas de países emergentes, a moeda americana tinha desvalorização de 0,41% ante a lira turca, de 0,58% ante o peso mexicano e de 0,16% em relação ao won sul-coreano.

Tudo o que sabemos sobre:
dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.