Dólar interrompe trajetória de baixa e sobe a R$ 1,673

Na Bolsa de Mercadorias & Futuros, o dólar à vista encerrou o pregão a R$ 1,6708, baixa de 0,16% no dia

Márcio Rodrigues, da Agência Estado,

20 de janeiro de 2011 | 17h26

Após três quedas seguidas, o dólar comercial fechou hoje em leve alta de 0,06%, cotado a R$ 1,673 no mercado interbancário de câmbio. No mês, acumula valorização de 0,54% ante o real. Na Bolsa de Mercadorias & Futuros, o dólar à vista encerrou o pregão a R$ 1,6708, baixa de 0,16% no dia. O euro comercial recuou 0,18% hoje e fechou a R$ 2,251.

Enquanto o dólar valorizou-se em relação a grande parte das moedas, estimulado por indicadores positivos divulgados nos Estados Unidos, no mercado doméstico a divisa norte-americana "andou de lado" ante o real durante a sessão. Tal cenário, segundo operadores, está relacionado ao fluxo de recursos para o País e à ausência de compradores, exceção feita ao Banco Central, que voltou a fazer dois leilões de compra no mercado à vista. Esses fatores neutralizaram qualquer pressão vinda de fora e da cautela com eventual nova medida cambial. A taxa mínima registrada hoje no câmbio interbancário foi de R$ 1,667 por dólar e a máxima, R$ 1,674.

Pelo terceiro dia consecutivo, o Banco Central realizou dois leilões de compra de dólares. No primeiro, a taxa de corte foi definida em R$ 1,6721. No último, nos minutos finais da sessão, o corte das propostas foi com a taxa de R$ 1,672 por dólar.

Segundo um operador, o comportamento distinto do dólar no câmbio doméstico não está totalmente relacionado ao aumento de 0,5 ponto porcentual da taxa Selic, para 11,25% ao ano, promovido ontem pelo Comitê de Política Monetária (Copom). "Essa alta do juro básico já estava precificada. Exceção feita ao BC, o mercado tem fluxo, mas não tem compradores e ainda vive sob o acompanhamento do governo, com a possibilidade de novas ações a qualquer momento", frisou. Um outro operador salienta, no entanto, que a alta da Selic contribuiu para elevar o fluxo hoje.

Os dados positivos dos EUA começaram a impactar positivamente no dólar logo pela manhã, quando o Departamento de Trabalho norte-americano informou que o número de trabalhadores que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego caiu 37 mil, para 404 mil, após ajustes sazonais, na semana até 15 de janeiro. A projeção era de queda de 25 mil solicitações.

O índice de indicadores econômicos antecedentes dos EUA também fez o euro passar para o terreno negativo ante o dólar. O índice subiu 1% em dezembro, após uma alta de 1,1% em novembro, enquanto os economistas previam alta de apenas 0,6% no mês passado. O indicador sugere que a recuperação se fortaleceu no fim de 2010 e aponta para firmeza das atividades em 2011.

Câmbio turismo

Nas operações do segmento de câmbio turismo, o dólar subiu 0,34% hoje para R$ 1,783 na ponta de venda. Para compra pelas casas de câmbio, a moeda americana foi cotada a R$ 1,637. O euro turismo fechou o dia negociado a R$ 2,383 na venda (alta de 0,97%) e a R$ 2,21 na compra.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarcâmbioeurojuroSelic

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.