Dólar opera perto da estabilidade após abertura

No exterior, dados positivos de atividade na zona do euro fortalecem a moeda do bloco em relação ao dólar americano

Luciana Antonello Xavier, da Agência Estado,

24 de julho de 2013 | 09h58

O dólar no balcão abriu nesta quarta-feira em leve queda ante o real, na contramão do movimento observado no mercado de câmbio futuro, mas reduzia perdas e estava perto da estabilidade. No exterior, dados positivos de atividade na zona do euro fortalecem a moeda do bloco em relação ao dólar americano. Às 9h33, o dólar no balcão caía 0,09%, a R$ 2,2220, na máxima. O dólar futuro para agosto subia 0,36%, a R$ 2,226. 

O euro subia a US$ 1,3220, de US$ 1,3226 no fim da tarde de ontem. O dólar subia a 100,32 ienes, de 99,47 ienes no fim da tarde desta terça-feira. Forças divergentes pesam nesta quarta-feira sobre o humor do investidor. Na zona do euro, o índice de gerentes de compras (PMI) composto teve alta pela primeira vez desde janeiro de 2012. O PMI da Alemanha foi o maior em cinco meses e o da França, o maior em 17 meses. Mas na China, o PMI foi o menor em 11 meses. O dólar opera em baixa ante o euro, em alta em relação ao iene e em direções mistas também em relação às moedas ligadas a commodities. "Acho que o dólar deve se mexer pouco na abertura, ficar mais perto da estabilidade, com leve alta", comentou há pouco um operador.

Nesta terça-feira, o dólar fechou em queda de 0,54%, a cotado a R$ 2,2240. Em julho, a moeda acumula baixa de 0,31% e, no ano, elevação de 8,75%. Não houve ontem leilão de rolagem do swap cambial do BC, que deve continuar entre esta quarta e os próximos dias uma vez que ainda há contratos para serem rolados. De quinta-feira, 18, até esta terça, o BC fez três leilões de rolagem de swap, em um total de US$ 2,984 bilhões. O volume do vencimento de swap em 1º de agosto é de US$ 5,715 bilhões

O investidor estará atento ainda ao discurso do presidente Barack Obama sobre política econômica, sem previsão de horário, e à divulgação do índice preliminar de atividade dos gerentes de compras (PMI) industrial de julho e ao relatório sobre vendas de moradias novas em junho (11h). No Brasil, o destaque são os dados de emprego do IBGE, que saem às 9 horas.

Na zona do euro, o PMI composto subiu para 50,4 em julho, de 48,7 em junho, superando a previsão de alta para 49,3. O PMI alemão composto subiu para 52,8 em julho, de 50,4 em junho. O PMI francês para 48,8 em julho, de 47,4 no mês anterior. Na Itália, as vendas no varejo subiram 0,1% em maio ante abril e caíram 1,1% na comparação anual.

Já na China, o resultado preliminar do índice PMI da indústria chinesa medido pelo HSBC ficou em 47,7 em julho. O dado de junho da atividade industrial na China foi revisado em baixa, passando de 48,3 para 48,2. Perto das 9 horas, o dólar subia ante a maioria das moedas ligadas a commodities: dólar australiano (+0,77%); dólar canadense (-0,13%); peso chileno (+0,15%); rupia indiana (-1,01%); peso mexicano (-0,03%); dólar neozelandês (+0,31%); rublo russo (+0,06%); lira turca (+0,56%); rand sul-africano (-0,28%); coroa norueguesa (+0,11%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.