Dólar opera perto da estabilidade com eleições e leilão

O dólar abriu em alta frente ao real, nesta quinta-feira, 11, pela quarta sessão seguida, reagindo à persistente indefinição na disputa presidencial mostrada pelo Datafolha e ao ambiente negativo de negócios no exterior. Com isso, a moeda volta a se aproximar do patamar de R$ 2,30, que no passado recente levou o Banco Central a elevar o volume da rolagem dos contratos de swap cambial para tentar amenizar a volatilidade e alta da moeda norte-americana.

ÁLVARO CAMPOS, Estadão Conteúdo

11 de setembro de 2014 | 11h01

Às 9h40, o dólar à vista no balcão operava estável, a R$ 2,2900, acompanhando a perda de força do dólar ante o iene e moedas correlacionadas a commodities na esteira dos dados semanais sobre pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos piores que as projeções. Os pedidos de auxílio-desemprego norte-americano subiram para 315 mil, acima da previsão de 300 mil, enquanto os pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior foram revisados para 304 mil, de 302 mil anteriormente. No mercado local, a venda de cerca de US$ 200 milhões em swap cambial pelo BC há pouco também favoreceu a desaceleração da moeda norte-americana. Na máxima da sessão, registrada pouco antes, o dólar à vista tocou em R$ 2,2960 (+0,26%).

Na BM&MBovespa, às 9h55, o dólar para outubro caía 0,04%, a R$ 2,3005, após registrar uma mínima a R$ 2,2990 (-0,13%). A máxima desse contrato foi de R$ 2,3090 (+0,30%).

A moeda norte-americana é influenciada pelas especulações sobre as próximas decisões do Federal Reserve, que poderia começar a elevar os juros antes do que o mercado vem precificando, especialmente após um dado bastante positivo sobre o mercado de trabalho divulgado nesta semana. Além disso, tensões geopolíticos voltaram ao radar, após o presidente dos EUA, Barack Obama, afirmar em discurso ontem que não vai hesitar em tomar ações contra o Estado Islâmico, que atua na Síria e no Iraque.

Já na Bolsa, poderia existir uma recuperação após seis sessões seguidas de queda, período no qual o índice acumulou retração de quase 6%. Além disso, ontem especulações de que Dilma poderia ter passado Marina no segundo turno pressionaram o sentimento, mas o Datafolha não confirmou isso. Agora, a expectativa é com o Ibope, que pode ser divulgado ainda hoje. Às 9h57, o Ibovespa futuro subia 0,08%, aos 59.145 pontos.

Tudo o que sabemos sobre:
dólareleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.