Dólar reage em baixa à decisão do Fed e fecha a R$ 2,06

O dólar à vista no pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) fechou hoje na mínima do dia, em queda de 0,84% a R$ 2,059. Esta cotação é a mais baixa desde 5 de maio de 2006, quando a moeda norte-americana encerrou a R$ 2,055. No mercado interbancário, o dólar comercial caiu 0,82% e terminou a R$ 2,06. As cotações do dólar passaram a renovar as mínimas em sintonia com as máximas exibidas pela Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) logo após o comunicado do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), que decidiu manter o juro dos Fed Funds inalterados em 5,25% ao ano pela sexta reunião consecutiva. A principal mudança no comentário do Fed divulgado nesta quarta-feira veio na indicação de viés para a política. No comunicado, o FOMC destaca que "a preocupação predominante da política do comitê permanece sendo o risco da inflação não se moderar conforme o esperado. Ajustes futuros na política vão depender da evolução da perspectiva tanto para inflação quanto para o crescimento econômico, conforme incluído nas próximas informações". O mercado reagiu bem ao comunicado dada a avaliação dos investidores de que suavizou o viés de alta da política monetária. As Bolsas em Nova York reforçaram as altas em reação ao comunicado, assim como a Bovespa, que ultrapassou os 45 mil pontos e subia 2,60% às 16h38.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.