Dólar recua a R$ 2,133 e juros futuros também cedem

O dólar comercial renovou a taxa mínima no começo desta tarde, com as tesourarias de bancos devolvendo parte das compras preventivas feitas antes do feriado da Páscoa. A não confirmação de novas denúncias políticas "bombásticas" por revistas semanais, o recuo dos juros dos títulos do Tesouro norte-americano (Treasuries) e a desaceleração dos preços futuros do petróleo estimulam a oferta de dólares. Os juros futuros também recuam na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) e a Bovespa está em alta. No início da tarde, o dólar comercial atingiu a mínima no mercado interbancário, de R$ 2,133, queda de 0,23%. No pregão viva-voz da BM&F, a mínima foi de R$ 2,132, baixa de 0,28%. Pela manhã, o petróleo superou US$ 70 o barril na New York Mercantile Exchange (Nymex) eletrônica pela primeira vez desde 1º de fevereiro e, perto das 13h, subia 0,69% a US$ 69,80 o barril. O juro do título de 10 anos dos EUA, que na quinta-feira passada fechou em 5,044%, cedia para 5,0270% hoje. Além disso, o mercado doméstico recebeu bem o superávit da balança comercial brasileira na segunda semana de abril, de US$ 398 milhões. No mês, o saldo acumulado é de US$ 1,694 bilhão e no ano, de US$ 11,040 bilhões. No mercado de juros futuros da BM&F, o contrato de DI janeiro 2008, um dos mais negociados, projetava taxa de 14,56% ao ano ante 14,59% no fechamento na quinta-feira passada. Na Bovespa, o Ibovespa subia 1,17%, perto das 13h, para 38.528 pontos.

Agencia Estado,

17 Abril 2006 | 13h10

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.