Dólar recua com expectativa de ingresso de recursos

O dólar inverteu a tendência de alta do início dos negócios e passou a registrar baixa neste final de manhã. No mercado de balcão, o dólar à vista recuava 0,14% às 11h51, cotado a R$ 2,067 na ponta de venda. No pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), a moeda recuava 0,19%, a R$ 2,066. Duas operações corporativas anunciadas na manhã desta terça-feira fortalecem as perspectivas já positivas para o fluxo de entrada de recursos estrangeiros no País e são citadas por alguns analistas como responsáveis por parte da queda do dólar durante esta manhã: a compra do Pactual pelo UBS e o pedido de autorização da Telmex para realizar uma Oferta Pública de Ações (OPA) da Embratel. Somadas, as duas podem gerar quase US$ 3 bilhões de entrada nos próximos meses. A operação envolvendo a instituição suíça UBS e o banco brasileiro Pactual está mais adiantada e seria a que mais influencia as transações com dólar desta terça-feira. Embora não haja data para o ingresso ocorrer, os operadores do mercado de câmbio acreditam que a totalidade dos recursos virá de fora e já começam a computar essa entrada em seus cálculos de fluxo. Os envolvidos na operação declararam que, inicialmente, serão pagos US$ 1 bilhão pela transação. Há pouco, o dólar, que abriu em alta e acelerou a valorização num primeiro momento, apresentava recuo de 0,05% a R$ 2,069, no pregão da BM&F. Outros US$ 2,6 bilhões podem chegar ao Brasil decorrentes da venda do Pactual, mas isso ocorrerá ao longo de cinco anos e, portanto, não está sendo computado no curto prazo. Quanto à operação da Embratel ainda há muitas dúvidas, mas também existe um consenso: gerará entrada de dólares. Se aprovada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a operação geraria uma eventual entrada de quase US$ 1,9 bilhão. Isso considerando-se adesão total e os valores atuais oferecidos pela Telmex. Mas a Oferta Pública de Aquisição (OPA) ainda não tem data para acontecer e alguns analistas têm dúvidas sobre o sucesso da operação. Eles ressaltam que a controladora mexicana esta oferecendo um ágio interessante para quem comprou o papel do início do ano passado para cá. O valor (R$ 6,95), no entanto, representaria um prejuízo considerável para quem carrega posições em Embratel há mais tempo. Além de influenciarem diretamente nas perspectivas de fluxo, as operações do Pactual e Embratel estão dando fôlego de alta à bolsa. Os juros futuros também são influenciados indiretamente e acompanham a queda do dólar.

Agencia Estado,

09 de maio de 2006 | 11h54

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.