Dólar recua fortemente após Fed manter estímulos

O dólar despencou ante as principais moedas nesta quarta-feira, 18, após o Federal Reserve surpreender os investidores com a falta de uma redução no seu programa de compras de bônus.

Agencia Estado

18 de setembro de 2013 | 18h46

A moeda caiu para a mínima em sete meses ante o euro e registrou o menor nível este mês ante o iene. Frente à libra, o dólar atingiu o menor patamar desde 13 de janeiro. As moedas de países emergentes dispararam ante o dólar, com o real e o rand sul-africano avançando mais de 2%.

O dólar recuou fortemente após o comunicado do Fed frisar que o banco central quer mais evidências de uma melhora sustentável na economia antes de reduzir estímulos. Durante a coletiva de imprensa do presidente do Fed, Ben Bernanke, a moeda continuou a se enfraquecer, uma vez que o dirigente demonstrou menos pressa para diminuir as compras de bônus.

Nos meses que antecederam a reunião, porém, os investidores compraram dólar e venderam ativos mais "arriscados", como moedas de países emergentes, antecipando uma redução de estímulos. Com as dúvidas sobre o fim dos estímulos do Fed no curto prazo, muitos acreditam que a tendência será revertida, pelo menos até que a economia dos EUA mostre sinais de uma recuperação mais sustentável.

"Isso define uma situação na qual o dólar pode acabar em tendência contínua de queda", disse Shahab Jalinoos, estrategista do UBS. "É uma má notícia para o dólar."

No fim da tarde em Nova York, o dólar caía para 97,96 ienes, de 99,12 ienes no fim da tarde da véspera. O euro avançava para US$ 1,3522, de US$ 1,3359, e estava praticamente estável em 132,43 ienes, de 132,41 ienes. A libra era cotada a US$ 1,6149, de US$ 1,5901. O índice Wall Street Journal Dollar Index, que pesa a moeda norte-americana ante uma cesta de rivais, tinha queda para 72,496 pontos, de 73,496 pontos na terça-feira. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
moedas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.