Dólar renova máxima de olho em títulos dos EUA

O dólar renovou a máxima durante a tarde, refletindo a volatilidade das taxas de juros dos títulos do Tesouro dos EUA, justificou um operador. Por volta das 15h30, o juro do título de 30 anos estava em 5,1622% ante 5,134% ontem e a taxa do papel de 10 anos subia a 5,0684% de 5,042% ontem. O dólar negociado à vista no pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) bateu na máxima de R$ 2,273, queda de 1,17%. No mercado interbancário, o dólar comercial chegou à máxima de R$ 2,272, (-0,74%). Não há fator adicional de pressão além da inquietação com o mercado externo, afirmou outro profissional. O risco Brasil acompanha o recuo da taxa de risco dos países emergentes. O risco país, mais cedo, exibia firme baixa de 2,5% (7 pontos) para 273 pontos base; e a taxa dos emergentes cedia 4,52% (10 pontos) a 211 pontos base.

Agencia Estado,

23 de maio de 2006 | 15h36

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.