Dólar renova mínima em um mês e fecha a R$ 2,114

O dólar comercial encerrou a quarta-feira cotado a R$ 2,114, em baixa de 0,14%. A moeda norte-americana, que havia atingido ontem seu menor nível em um mês (R$ 2,117), renovou hoje a marca. A cotação é a mais baixa desde o dia 16 de março, quando o dólar fechou em R$ 2,110. A moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 2,111 e a máxima de R$ 2,121. No pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o dólar negociado à vista fechou a R$ 2,114 (-0,09%). O dado de inflação ao consumidor nos Estados Unidos (CPI), divulgado pela manhã, ameaçou refrear o otimismo registrado ontem, e assim fez o dólar oscilar bastante entre o terreno positivo e o negativo. Dados divulgados aqui no Brasil, contudo, garantiram a queda da moeda norte-americana. O CPI subiu 0,4% em março, em linha com as previsões, mas o núcleo, mais observado pelo mercado, subiu acima do projetado (0,3% ante 0,2%). Esse dado fez com que os juros dos títulos do Tesouro norte-americano (Treasuries) subissem, o que afetou a cotação do dólar por aqui. Mas a influência foi contida pelos dados de inflação brasileiros: o IGP-10 de abril caiu 0,65%, abaixo do piso das estimativas dos analistas, e o IPC-Fipe da segunda quadrissemana ficou em -0,06% também abaixo das projeções. Hoje, depois de 29 dias úteis, o Banco Central realizou leilão de swap cambial reverso, com oferta de até 12.850 contratos com cinco vencimentos diferentes e total financeiro de cerca de US$ 600 milhões. O leilão é interpretado pelo mercado como um sinal de que o BC quer segurar a queda do dólar.

Agencia Estado,

19 Abril 2006 | 16h56

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.