Dólar retoma nível de R$ 2,20, com alta de 0,69%

Movimento foi influenciado pelo fato de o Banco Central ter rolado apenas um terço dos US$ 8,9 bilhões em contratos de swap que vencem em 1º de novembro

Fabrício de Castro, da Agência Estado,

24 de outubro de 2013 | 17h30

O dólar deu continuidade à alta do pregão anterior e retomou o patamar de R$ 2,20 nesta quinta-feira, 24. O fato de o Banco Central (BC) ter rolado apenas um terço dos US$ 8,9 bilhões em contratos de swap que vencem em 1º de novembro incentivou o avanço. À tarde, no exterior, a moeda norte-americana teve movimentos mistos ante outras divisas de países ligados a commodities.

O dólar à vista negociado no balcão subiu 0,69%, para R$ 2,204 - desde o último dia 9 a cotação não encerrava acima de R$ 2,20. Na mínima, atingiu R$ 2,195 (+0,27%) e, na máxima, marcou R$ 2,209 (+0,91%). No mercado futuro, o dólar para novembro subia 0,55%, a R$ 2,208.

Conforme anunciado na noite passada, o BC vendeu nesta sessão mais 20 mil contratos (US$ 988,9 milhões) para rolagem dos US$ 8,9 bilhões de swaps que vencerão em novembro. Foi o terceiro dia de rolagem, com a autoridade monetária negociando US$ 2,964 bilhões no total, ou cerca de um terço do montante a vencer.

Embora o BC possa continuar a rolagem até o fim do mês, o mercado descarta a hipótese, considerando que cerca de US$ 5,9 bilhões serão retirados do sistema, o que deve impulsionar o valor da divisa norte-americana.

"O mercado ontem até esperava que o BC anunciasse um lote maior de swaps para rolagem, para este terceiro dia de operação. Mas como o terceiro lote (o desta quinta-feira, 24) foi também de 20 mil contratos, o mercado ficou mais tomador (de dólares)", comentou um profissional da mesa de câmbio de um banco. Segundo ele, o fluxo diário mostrou mais entradas que saídas de recursos, o que desestimulou ganhos ainda maiores. "Hoje, parecia que o dólar poderia buscar até os R$ 2,22, mas houve bastante entrada de moeda."

Pela manhã, as preocupações com o aperto de liquidez da China davam força ao dólar, após o Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) anunciar a retirada de 58 bilhões de yuans (US$ 9,5 bilhões) líquidos do sistema bancário do país nesta semana, depois de interromper suas operações regulares de mercado aberto pela segunda semana consecutiva. No fim da tarde, no exterior, o dólar sustentava valorização ante boa parte das moedas ligadas a commodities, mas recuava ante outras.

Tudo o que sabemos sobre:
dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.