AFP
AFP

Dólar sobe 2,50% e encosta em R$ 3,30 com tensão política

Moeda atingiu a maior cotação desde 1º de abril de 2003

Ana Luísa Westphalen, O Estado de S. Paulo

19 de março de 2015 | 10h02

(Texto atualizado às 16h40)

O dólar chegou a ultrapassar o patamar dos R$ 3,30 na sessão desta quinta-feira, influenciado pelo forte viés de alta para a moeda norte-americana no exterior e a cautela em meio às tensões políticas entre governo e base aliada. A moeda acabou a sessão em alta de 2,49%, negociado a R$ 3,2950, o maior preço desde 1º de abril de 2003 (R$ 3,3130).

No fim da manhã, o movimento de alta do dólar foi intensificado durante um discurso da Dilma Rousseff, em evento no Planalto. "O mercado reage à Dilma agora da mesma forma que parte da população se manifesta, com panelaço, quando ela começa a falar", comparou o operador Ovídio Pinho Soares, da corretora Icap do Brasil. "O pessoal está com a mania de começar a comprar toda vez que a Dilma abre a boca. E não importa muito o que ela diz", acrescentou outro profissional, que prefere não se identificar. 

Apesar dessa reação do mercado, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, durante reunião com representantes da Associação Nacional de Jornais (ANJ), evitou vincular a crise política e econômica do País à disparada do dólar hoje, na esteira da demissão do ex-ministro da Educação Cid Gomes, ontem. 

Swap. O diretor de Fiscalização e Regulação do Banco Central, Anthero Meirelles, também  preferiu não falar quando foi questionado sobre o programa de swap cambial. Ele disse apenas que o programa tem cumprido seu objetivo. O programa de ração diária de US$ 100 milhões está previsto para ocorrer até, pelo menos, o fim deste mês. Lançado em agosto de 2013, já foi estendido e ajustado até os dias de hoje.

 

Tudo o que sabemos sobre:
dolarcambio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.