Dólar sobe afetado por decisão do FMI sobre a Grécia

Moeda americana opera em alta, também na expectativa da elevação dos juros nos EUA; Bolsa recua

Sérgio Caldas, Renata Pedini, O Estado de S. Paulo

12 de junho de 2015 | 11h21

O dólar avança em relação a outras moedas nesta sexta-feira, 12, em meio à crescente preocupação com a Grécia, embora alguns investidores se mantenham às margens dos negócios antes da reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), que acontece nos próximos dias 16 e 17.

Já a Bovespa abriu em baixa, contaminada pelo sinal negativo das bolsas no exterior. Operações relacionadas ao vencimento de opções sobre ações na segunda-feira podem trazer volatilidade.

Às 11h15, o dólar subia 0,55%, negociado a R$ 3,122, após fechar em R$ 3,105 na sessão anterior. Na mesma faixa horária, o Ibovespa recuava 1,01%, cotado aos 53.146 pontos, com destaque para a queda das ações da Petrobrás e da Vale.   

A produção de petróleo da estatal recuou 1% no mês de maio em relação a abril devido ao maior número de paradas para manutenção, justificou a empresa em nota. A produção total de óleo e gás, no Brasil e no exterior, caiu 0,7% no mês. 

Além disso, pesa a determinação do Tribunal de Contas da União (TCU) para que a companhia altere seus procedimentos de contratação de serviços de engenharia. Em comentário a clientes, o JPMorgan também destaca que a Agência Nacional do Petróleo (ANP) negou-se a atender ao apelo por mudanças na política de conteúdo local para os leilões de áreas exploratórias. 

A queda do preço do minério de ferro no mercado à vista na China favorece o recuo nas ações da Vale. Na semana, por outro lado, o valor acumula alta de 1,9%.

Cenário externo. Os investidores continuam acompanhando as novidades referentes à Grécia, após o Fundo Monetário Internacional (FMI) ter abandonado as discussões sobre o resgate a Atenas diante da "falta de progresso" em direção a um acordo.

Mais cedo, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, pediu aos envolvidos que retomem as conversas sobre o programa de ajuda grego, que expira no fim deste mês.

Nos EUA, o índice de preços ao produtor (PPI) avançou 0,5% em maio ante abril, acima da previsão de 0,4%, reforçando expectativas de alta de juros, o que torna menos atrativo os negócios com ações. 

Tudo o que sabemos sobre:
DólarcâmbioBovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.