Dólar sobe ante euro com temor sobre Grécia e juros na Índia

Movimento de fuga para o dólar foi reforçado pela ansiedade com relação ao encontro da União Europeia na próxima semana

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

19 de março de 2010 | 18h51

Os investidores evitaram as moedas mais sensíveis ao risco e se voltaram para o dólar, em um movimento alimentado pela intensificação da crise fiscal da Grécia e aumento da taxa de juro na Índia.

O euro recuou até a mínima intraday US$ 1,3503, seu mais baixo nível desde o dia 2 de março, quando o banco central indiano anunciou um inesperado aperto monetário, corroendo a demanda por ouro e outras matérias-primas. A volátil libra foi duramente atingida pela fuga para a segurança, deslizando abaixo do nível de US$ 1,50, antes de registrar uma recuperação parcial.

 

As moedas ligadas às commodities, particularmente os dólares da Austrália e da Nova Zelândia, caíram em linha com o declínio dos preços do ouro e da prata. O dólar canadense também recuou, dado que sua tendência para a paridade contra o dólar perdeu força com a saída os investidores dos ativos mais sensíveis ao crescimento.

"O que descarrilou o mercado foi a decisão do Reserve Bank da Índia de aumentar a taxa de juro inesperadamente", ressaltou Jack Spitz, administrador regional de câmbio do National Bank Financial, em Toronto.

O anúncio do BC indiano elevou a possibilidade de os bancos centrais de outros mercados emergentes também aumentarem suas taxas de juros, reduzindo a demanda por commodities. Isto poderá tornar, eventualmente, as moedas desses mercados mais atrativas ante o dólar, diante da expectativa de que as taxas de juros nos EUA permanecerão baixas por pelo menos até o outono no hemisfério norte.

Contudo, as preocupações relacionadas ao crescimento suplantaram o diferencial de juro: os mercados emergentes têm sido os condutores do crescimento global e a preocupação é apertos monetários nesses países vão esfriar o crescimento e debilitar a recuperação global.

O movimento de fuga para a segurança do dólar foi reforçado pela crescente ansiedade do investidor com relação ao encontro de cúpula da União Europeia na próxima semana. Ainda não está claro se os países europeus fornecerão ajuda financeira à Grécia, que vai ter que refinanciar mais de € 20 bilhões em bônus nos próximos dois meses.

No final da tarde em Nova York, o euro estava a US$ 1,3535, de US$ 1,3611 no final da tarde de ontem. O dólar estava em 90,50 ienes, de 90,33 ienes ontem, enquanto o euro estava a 122,47 ienes, de 122,94 ienes ontem; a libra estava em US$ 1,5016, de US$ 1,5248 ontem; o dólar estava 1,0610 franco suíço, de 1,0581 franco suíço ontem. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
moedas, dólar, euro, iene

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.