Dólar sobe com exterior e especulações sobre programa de swap

Números positivos divulgados nos EUA deram impulso à moeda, que terminou a sessão cotada a R$ 2,2410, uma alta de 0,76%

Álvaro Campos, da Agência Estado,

27 de maio de 2014 | 16h57

O dólar subiu ante o real nesta terça-feira, 27, impulsionado por indicadores norte-americanos positivos e pelas especulações sobre mudanças no programa de swap cambial do Banco Central (BC). O dólar à vista no balcão terminou a sessão cotado a R$ 2,2410, uma alta de 0,76%. Por volta das 16h30, o giro estava em torno de US$ 886,64 milhões, segundo dados da clearing de câmbio da BM&FBovespa, após ter registrado ontem um volume muito baixo, em função de feriados nos EUA e no Reino Unido.

No mercado futuro, o dólar para junho avançava 0,72%, a R$ 2,2440. O giro estava em quase US$ 13,16 bilhões. O dólar também subia ante a maioria das moedas emergentes e de países exportadores de commodities, como o rublo russo (+0,65%), a lira turca (+0,92%) e o rand sul-africano (+1,08%).

Após o presidente do BC, Alexandre Tombini, ter dito na semana passada que vê um certo arrefecimento nas operações de swap cambial, o mercado especula que o programa pode ser reduzido ou mesmo encerrado depois de junho. Em julho, vencem 201.200 swaps, o equivalente a quase US$ 10,06 bilhões, e os participantes aguardam nos próximos dias informações sobre como será a rolagem desses contratos.

O fluxo cambial negativo também ajudou a impulsionar o dólar, disse o gerente de câmbio da Correparti, João Paulo de Gracia Corrêa. Para ele, o dólar acompanhou o fortalecimento de preço no exterior, mas acelerou o ajuste no fim da manhã quando foram identificadas mais saídas de recursos.

Além disso, operadores comentam que o dólar reagiu hoje aos dados muito ruins da balança comercial divulgados ontem, quando o giro estava muito baixo em função dos feriados no exterior. A moeda é impulsionada também por números positivos divulgados nos EUA hoje. As encomendas de bens duráveis subiram 0,8% em abril ante março, contrariando a previsão de queda de 0,7%. Já o índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) mostrou melhora no setor de serviços e dados do Conference Board sinalizaram que o consumidor está mais confiante.

Tudo o que sabemos sobre:
Dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.