Dólar sobe com exterior e mercado espera leilões de swap

O dólar no mercado de câmbio brasileiro abriu nesta quarta-feira, 28, em linha com a alta da moeda norte-americana em relação ao euro e a maioria das divisas de emergentes e ligadas a commodities. O dólar norte-americano é impulsionado pela crescente expectativa de adoção de medidas de estímulo na reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) na quinta-feira da próxima semana (5/6), depois do aumento abaixo do esperado da base monetária de 0,8% em abril ante igual mês de 2013, ante previsão de alta de 1,1% no chamado M3.

SILVANA ROCHA, Agencia Estado

28 de maio de 2014 | 10h05

Já as moedas de emergentes e ligadas a commodities se enfraquecem na esteira do yuan chinês, que atingiu seu menor nível em quatro semanas contra o dólar nesta quarta-feira, devido ao aumento da demanda sazonal pela divisa dos EUA, em meio a preocupações entre os investidores sobre a economia chinesa. A tendência para a divisa chinesa é estender sua fraqueza nas próximas sessões, já que as empresas do continente listadas em Hong Kong precisarão de dólares até o fim de junho para pagar dividendos de ações, disse Huang Yi, um operador sênior no China Guangfa Bank. Também os preços do cobre mantiveram a tendência recente de alta e atingiram hoje seu maior valor em 12 semanas na London Metal Exchange (LME), sustentados pela expectativa de que a China adote novas medidas de estímulo econômico.

O ajuste positivo do dólar ante o real reflete também expectativas de mudança no programa de leilões diários de swap cambiais do Banco Central a partir de 1º de julho, além de certa pressão derivada da rolagem de contratos de derivativos cambiais na BM&FBOvespa, onde os investidores estrangeiros, empresas de comércio exterior e pessoas físicas estão comprados e defendem a valorização das cotações a fim de antecipar o fortalecimento da Ptax diária visando a definição da taxa final de maio, na nesta sexta-feira, dia 30.

No mercado à vista, às 9h48, o dólar estava em alta de 0,13%, a R$ 2,2440 no balcão, após abrir a R$ 2,2450 (+0,18%). Na BM&FBovespa, no mesmo horário acima, o dólar para junho de 2014 subia 0,25%, a R$ 2,2465.

Em Nova York, no mesmo horário acima, o dólar dos EUA estava em alta frente ao euro, que recuava a US$ 1,3604, e também diante do iene japonês, a 101,82 ienes. A divisa norte-americana também subia frente ao dólar australiano (+0,33%0, o dólar canadense (+0,05%), o peso mexicano (+0,28%), o dólar neozelandês (+1,00%), o rublo russo (+0,29%) e o rand sul africano (+0,44%).

Tudo o que sabemos sobre:
dólarabertura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.