Dólar sobe com foco na disputa presidencial

O dólar abriu em alta nesta quarta-feira, 10, dando continuidade aos ganhos de 2,01% das últimas duas sessões. A correção reflete, em parte, o viés positivo da moeda norte-americana no exterior, mas principalmente o desapontamento dos agentes financeiros com o rebaixamento da perspectiva do rating Baa2 do Brasil, de estável para negativa, além do resultado da pesquisa CNT/MDA, divulgada ontem. O levantamento mostrou recuperação nas intenções de votos em Dilma Rousseff (PT) e chance mais apertada de vitória de Marina Silva (PSB) em um segundo turno da disputa presidencial.

SILVANA ROCHA, Estadão Conteúdo

10 de setembro de 2014 | 09h48

Os investidores também repercutem nesta manhã o resultado da pesquisa regional do Ibope, que mostrou liderança da candidata Marina Silva (PSB) nas intenções de voto em São Paulo e de Dilma Rousseff (PT) no Rio de Janeiro. Os dados nacionais compilados desse instituto devem ser conhecidos apenas na quina-feira, 11, enquanto a pesquisa Datafolha, que era esperada ontem, só será divulgada hoje à noite, no Jornal Nacional. Há ainda um levantamento do Vox Populi, que pode sair a partir de hoje.

A dúvida que paira sobre os investidores é se essas pesquisas vão retratar algum impacto das denúncias de pagamento de propina pela Petrobras a políticos, e que envolvem ministros, presidentes da Câmara e do Senado e governadores de cinco partidos, incluindo PT e PSB.

Divulgado ontem à noite, o Ibope regional referente às intenções de voto no Estado de São Paulo, maior colégio eleitoral do País, mostra que Marina oscilou em baixa, passando de 39% na pesquisa anterior para 38% agora, enquanto Dilma oscilou em alta, de 23% para 25%. Já o candidato do PSDB, Aécio Neves, oscilou de 17% para 15%, no mesmo período. No Rio de Janeiro, no entanto, a candidata à reeleição lidera com 37% das intenções de voto, de 32% anteriormente. Já a ex-senadora caiu de 38% para 34%, enquanto o tucano passou de 11% para 9%. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos porcentuais.

Do lado externo, a moeda norte-americana seguia em alta frente ao euro, iene e as principais moedas correlacionadas a commodities, diante da demanda defensiva dos investidores antes da próxima reunião de política monetária do Federal Reserve, que ocorre na semana que vem. Os estímulos monetários anunciados pelo Banco Central Europeu na semana passada também continuam pesando para a queda do euro.

No mercado à vista, às 9h39, o dólar estava na máxima, em alta de 0,52%, a R$ 2,300 no balcão. A mínima ficou em R$ 2,2920 (+0,17%) e foi registrada após a abertura, quando o dólar foi cotado R$ 2,2950 (+0,31%). No mercado futuro, o dólar para outubro de 2014 subia 0,52%, a R$ 2,310. Esse vencimento de dólar já oscilou de R$ 2,3010 (+0,13%) a R$ 2,3135 (+0,67%), após iniciar a sessão a R$ 2,3030 (+0,22%).

Tudo o que sabemos sobre:
dólareleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.