REUTERS/Kevin Lamarque
REUTERS/Kevin Lamarque

Dólar sobe e bate R$ 3,15 com tensão entre EUA e Coreia do Norte

Investidores estão tensos quanto à troca de ameaças entre Washington e Pyongyang; Bolsa no Brasil e mercados no exterior reagem em queda

Niviane Magalhães, O Estado de S.Paulo

09 Agosto 2017 | 14h02

O dólar renovou máximas nesta quarta-feira, 9, e o Ibovespa atingiu mínimas com os investidores avessos ao risco em meio a tensões geopolíticas envolvendo os Estados Unidos e a Coreia do Norte. 

Por volta das 13h50, a moeda americana subia 0,67%, a R$ 3,1506. A maior cotação do dia até o momento havia sido registrada às 12h52, de R$ 3,1536. Já o Ibovespa caía 0,72%, a 67.411,58 pontos, após atingir a mínima também às 12h52, de 67.290,48 pontos.

No mercado acionário, as bolsas europeias terminaram em queda, com Paris, Frankfurt e Madri em baixa superior a 1%. 

+ TRUMP: 'Arsenal dos EUA está mais forte do que nunca'

O fato principal segue sendo a troca de ameaças entre os EUA e a Coreia do Norte. A inteligência dos EUA concluiu ontem que a Coreia do Norte desenvolveu recentemente a capacidade de produzir uma ogiva nuclear que se encaixaria no míssil balístico intercontinental que vem desenvolvendo.

Isso, aliado às afirmações de que a Coreia do Norte estava se movendo para fazer sistemas de armas defensivos ativos, levou o presidente americano, Donald Trump, ameaçar a Pyongyang com "fogo e fúria" como o "mundo nunca viu". A Coreia do Norte, por sua vez, respondeu dizendo que estava considerando um ataque preventivo contra as forças dos EUA no território de Guam, no Pacífico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.