Dólar sobe e investidores observam emergentes

Unidade monetária dos EUA superou 100 ienes e se fortaleceu ante o euro, a libra e moedas-commodities - como os dólares da Austrália, Nova Zelândia e Canadá - na sessão europeia, apesar da falta de notícias e de indicadores de peso

AGÊNCIA ESTADO,

23 de julho de 2013 | 09h06

O dólar firmou-se em relação às moedas mais importantes em meio a uma negociação calma com os investidores observando os mercados emergentes, onde os bancos centrais da Turquia e da Hungria anunciarão as decisões de política monetária nesta manhã. O dólar superou 100 ienes e fortaleceu-se ante o euro, a libra e moedas commodities, como os dólares da Austrália, Nova Zelândia e Canadá, na sessão europeia apesar da falta de notícias e indicadores de peso. "Não parece haver nenhum grande condutor", afirmou o estrategista de câmbio do BNP Paribas, em Londres, Michael Sneyd.

O presidente do Federal Reserve (Fed, o BC dos Estados Unidos), Ben Bernanke, parece ter acalmado os mercados antes do verão com os depoimentos na semana passada, reiterando que a política monetária do banco continuará acomodatícia e o programa de compras de ativos dependerá da força de dados dos EUA.

"Em temos de interesse dos investidores, ele parece muito baixo....eles estão se afastando do mercado e não estão assumindo muito risco", disse Sneyd. Mas os volumes menores parecem estar exagerando os movimentos pequenos nos mercados cambiais, como sugere a corrida altista do dólar nesta terça-feira.

Na agenda de indicadores dos EUA está prevista a divulgação do índice de preços das moradias em maio e do índice de atividade regional em julho, às 10h e 11h (de Brasília), respectivamente. A lira turca ficou sob pressão antes do anúncio da reunião de política monetária da Turquia, às 8h. O consenso entre os economistas é que o banco central do país elevará as taxas de juros para dar apoio à moeda. Cinco de 10 economistas consultados pela Dow Jones preveem que a autoridade monetária elevará sua taxa de empréstimos de 6,50% em 0,50 ponto porcentual, enquanto outros cinco entrevistados esperam um alta de 1 ponto porcentual.

Em contraste, as previsões para a decisão do banco central da Hungria é de um corte da taxa de juros para uma mínima recorde de 4%. Pela primeira vez desde que assumiu o cargo, o presidente do banco central da Hungria, Gyorgy Matolcsy, fará uma entrevista coletiva às 10h (de Brasília).

Às 7h50 (de Brasília), o dólar estava em 99,91 ienes, de 99,67 ienes nesta segunda-feira, 22. O euro estava em US$ 1,3175, de US$ 1,3185 nesta segunda. A libra estava em US$ 1,5344, de US$ 1,5357 segunda-feira. O euro era negociado em 131,65 ienes, de 131,41 ienes segunda. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.