Dólar tem leve alta com crise na Ucrânia e dados dos EUA

 Moeda norte-americana fecha com valorização de 0,09%, a R$ 2,2420, após uma sessão volátil

Álvaro Campos, da Agência Estado,

22 de abril de 2014 | 16h57

O dólar ficou perto da estabilidade nesta terça-feira, 22, fechando em leve alta após uma sessão volátil. Por um lado, a moeda norte-americana é beneficiada por seu status de "porto seguro", em meio às tensões na Ucrânia. Hoje, o presidente interino do país, Oleksandr Turchynov, ordenou que as forças de segurança retomem as operações "antiterrorismo" no leste, que haviam sido suspensas após um acordo para amenização de tensões na região. Por outro lado, a queda do yuan para o menor nível em mais de um ano ante o dólar hoje pressionou as moedas emergentes.

O dólar à vista no balcão terminou a sessão cotado a R$ 2,2420, uma alta de 0,09%. Por volta das 16h30, o giro estava em torno de US$ 920,60 milhões, segundo dados da clearing de câmbio da BM&FBovespa. No mercado futuro, o dólar para maio avançava 0,22%, a R$ 2,2495. O volume de negociação era de aproximadamente US$ 12,31 bilhões.

Além da crise na Ucrânia, o dólar também recebeu suporte de dados positivos dos EUA. Segundo a Associação Nacional dos Corretores de Imóveis (NAR, na sigla em inglês), as vendas de moradias usadas no país caíram 0,2% em março ante fevereiro. Apesar da queda, o dado veio melhor que a previsão de recuo de 0,7%. Além disso, o índice de atividade industrial regional do Federal Reserve de Richmond subiu para 7 em abril, revertendo a leitura de -7 observada em março.

Ontem, quando os mercados brasileiros estavam fechados, outros dados bons foram divulgados nos EUA. O índice de indicadores antecedentes medido pelo Conference Board subiu 0,8% em março, para 100,9, depois de aumentar 0,5% em fevereiro. A previsão dos economistas consultados pela Dow Jones Newswires era de alta de 0,7%. Já o índice de atividade nacional do Federal Reserve de Chicago recuou para +0,20 em março, de +0,53 em fevereiro. Qualquer resultado acima de zero indica crescimento econômico acima das tendências históricas.

Tudo o que sabemos sobre:
Dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.