Epitacio Pessoa/Estadão
Epitacio Pessoa/Estadão

Dólar tem quarta alta seguida e fecha cotado a R$ 2,87, maior valor desde outubro de 2004

Temores em relação às contas públicas, ao avanço da inflação e à fraqueza da economia brasileira fazem a moeda norte-americana acumular valorização de 8,1% em 2015

Claudia Violante, O Estado de S. Paulo

11 Fevereiro 2015 | 10h25

Atualizado às 16h40

A escalada recente do dólar parece longe de terminar. A moeda subiu nesta quarta-feira pela quarta sessão consecutiva e pela sexta vez nos oito pregões que já aconteceram em fevereiro. Terminou no maior nível em mais de dez anos, acumulando valorização de 8,1% apenas em 2015. 

A aversão ao risco no exterior e as preocupações com a deterioração da economia doméstica estão levando os investidores a se posicionarem comprados na moeda americana. O dólar comercial terminou o dia com valorização de 1,38%, a R$ 2,87, maior valor desde 25 de outubro de 2004. Na mínima, marcou R$ 2,8470 (+0,56%) e, na máxima, R$ 2,8820 (+1,80%). O dólar futuro para março registrava, às 16h34, alta de 1,30%, a R$ 2,8830.

No exterior, as atenções hoje estiveram voltadas para a reunião de ministros de Finanças do Eurogrupo, que iam debater a situação da Grécia. Os gregos querem alterar os termos do acordo de ajuda ao país, mas os credores resistem às mudanças. Apesar de não ser esperada uma resolução hoje, o assunto mexeu com os negócios no mercado financeiro.

O ministro da Economia alemão, Wolfgang Schäuble, tinha descartado a possibilidade de um novo acordo para a dívida grega. Mas, hoje, o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, declarou estar disposto a ouvir a Grécia, mas que pressionaria o novo governo pela manutenção dos programas de ajustes. Ele também declarou não esperar um resultado hoje e que as negociações devem prosseguir na próxima semana.

No âmbito doméstico, não há motivo para festejar. O temor de que a meta de superávit primário de 1,2% do PIB neste ano não será cumprida vem rondando os agentes, depois do resultado ruim do ano passado das contas públicas e em meio às dificuldades por que passa a economia neste começo de ano, com a lua de mel do mercado e o governo já terminada. A todo o momento surgem dúvidas de que a equipe de Joaquim Levy pode ter que ajustar a meta.

Hoje, por exemplo, em entrevista ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, o economista do Santander, Maurício Molan, colocou em dúvida o cumprimento não só do superávit primário, como também das metas de inflação. Segundo ele, o Santander prevê uma alta de 7,3% no IPCA este ano, o que dificulta muito a convergência para o centro da meta, de 4,5%, em 2016, como tem prometido o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. "O efeito inercial é muito grande", afirmou.

Os indicadores reforçam as dificuldades do governo. Hoje, o IBGE divulgou dados do varejo de dezembro e os números desapontaram. Os indicadores sinalizam contração da atividade, o que dificulta ainda mais o cumprimento da meta fiscal, já que, crescendo menos, o país arrecada menos. Assim, a economia terá que ser feita por meio de aumento de impostos e corte de investimentos e despesas discricionárias.

 

Mais conteúdo sobre:
cambiodolar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.