Dólar tem quarta queda seguida com exterior e expectativa por equipe de Dilma

Moeda norte-americana caiu 2,26% e fechou o dia cotada a R$ 2,51

Fabrício de Castro, Agência Estado

21 de novembro de 2014 | 17h00

Na volta do feriado do Dia da Consciência Negra, que ontem limitou os negócios com câmbio a poucas praças no Brasil, o dólar emplacou a quarta sessão consecutiva de perdas, em sintonia com o ambiente externo e de olho em Brasília. Em meio a notícias de que o ex-secretário do Tesouro Joaquim Levy teria sido o escolhido para a Fazenda, enquanto o ex-secretário-executivo da Pasta Nelson Barbosa iria para o Planejamento, o dólar ampliou as perdas ante o real no fim do dia.

A moeda à vista de balcão fechou em forte baixa de 2,26%, aos R$ 2,514. Em quatro dias, acumulou perdas de 3,38% e, na semana, recuo de 3,08%.

Pela manhã, repercutiam no mercado as notícias vindas da China. O país cortou as taxas de referência da economia - entre elas, a taxa de juros de empréstimo de um ano - e revelou, de forma inédita, que a primeira fase de suas reservas estratégicas de petróleo é formada por cerca de 91 milhões de barris. As notícias foram bem recebidas e estimularam a busca por ativos de maior risco em todo o mundo, como as ações, abrindo espaço no Brasil para o recuo do dólar.

Favoreciam o movimento as especulações sobre a futura equipe de Dilma Rousseff. Após a recusa de Luiz Carlos Trabuco, presidente do Bradesco, em assumir o Ministério da Fazenda, os nomes sobre a mesa eram os de Nelson Barbosa e de Joaquim Levy. À tarde, o mercado de câmbio sofreu um repique. Tudo porque passaram a circular pelas mesas notícias de que Levy irá para a Fazenda e Barbosa para o Planejamento. Como Levy agrada ao mercado, o dólar renovou mínimas naquele momento.

Conforme apurou o Broadcast, Levy deve ir, de fato, para a Fazenda, enquanto Barbosa deve ficar no Planejamento. Já o senador Armando Monteiro (PTB-PE) foi convidado para ser o próximo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O diretor de Política Econômica do BC, Carlos Hamilton, deve assumir o Tesouro Nacional.

Na cotação máxima do dia, vista às 9h12, o dólar marcou R$ 2,563 (queda de 0,35%) no balcão. Na mínima, já em meio às notícias de que Levy seria o titular da Fazenda, atingiu R$ 2,511 (queda de 2,37%) às 15h52.

No exterior, o viés para o dólar também era de queda. Perto das 16h30, a moeda americana caía 0,63% ante a australiana, cedia 0,57% ante a canadense, tinha baixa de 0,29% ante a neozelandesa e 0,07% ante a mexicana.

Tudo o que sabemos sobre:
dolarcambio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.