Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

Dólar inverte sinal com realização de lucros no fim do pregão e fecha a R$ 3,14

Moeda chegou a bater R$ 3,18 por causa de supostas divergências na equipe econômica, mas investidores aproveitaram alta para realizar lucros

Denise Abarca, Agência Estado

27 Maio 2015 | 12h41

SÃO PAULO - O real teve um respiro ante o dólar nesta quarta-feira, 27, depois da moeda americana cravar quatro sessões seguidas de alta, mas devolvendo pouco da valorização de 4,89% acumulada neste período. O sinal negativo foi confirmado a partir da última hora de negócios, refletindo ajustes técnicos de posição, em meio também à perda de fôlego do dólar no exterior.

No balcão, a moeda à vista terminou em R$ 3,145 (-0,22%), oscilando da máxima de R$ 3,184 (+1,02%) à mínima de 3,144 (-0,25%). 

O dólar passou a maior parte da sessão em alta, acompanhando a tendência externa e contrariando a expectativa de um alívio após a aprovação, ontem, da Medida Provisória 665, que aperta regras para concessão de benefícios trabalhistas, como auxílio-desemprego e abono salarial.

As supostas divergências entre os ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, e da Fazenda, Joaquim Levy, também continuaram pesando nos negócios na primeira etapa. Sobre o assunto, a presidente Dilma Rousseff negou haver conflito. Segundo ela, a posição de ambos no governo é "extremamente estável". "Nunca houve, desde o momento em que eles assumiram as suas funções, nenhum problema com eles", afirmou.

No meio da tarde, a moeda atingiu níveis interessantes para uma realização de lucros, atraindo os vendedores e também players reduzindo posições compradas no mercado futuro, o que culminou na inversão do sinal positivo. O alívio foi, porém, limitado, pois há votações importantes das demais MPs do ajuste fiscal no Congresso esperadas para hoje. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.