Dólar volta a subir e acumula alta de 2% em dois dias

Moeda fechou com valorização de 0,97% nesta terça, a R$ 2,288; apreensão com o cenário eleitoral e decisão da Moody's de rebaixar perspectiva da nota do Brasil pesaram sobre o câmbio

Denise Abarca , O Estado de S. Paulo

09 de setembro de 2014 | 17h01

O dólar deu continuidade ao movimento de segunda-feira, 9, e fechou novamente em alta no balcão, no maior patamar desde o dia 7 de agosto (R$ 2,2970), assim como também tiveram aumento as taxas de juros futuros. Em dois dias a moeda teve ganho de 2,01% ante o real. A pressão sobre o câmbio veio de várias frentes, com destaque para a tendência de valorização externa, a apreensão com o cenário eleitoral brasileiro e a decisão da Moody's de rebaixar a perspectiva da nota soberana do Brasil.

Assim como na sessão anterior, o dólar passou o dia em alta ante o real, oscilando da mínima de R$ 2,2730 (+0,31%) à máxima de R$ 2,2910 (+1,10%), no balcão. Fechou com valorização de 0,97%, a R$ 2,2880. O volume financeiro somou US$ 1,027 bilhão, sendo US$ 1,020 bilhão em D+2. No segmento futuro, o dólar para outubro era negociado em R$ 2,301 (+0,83%), por volta das 16h30. Segundo fontes nas mesas de câmbio, chama a atenção a forte ampliação de posições compradas de investidores estrangeiros no mercado futuro. Operadores afirmaram, ainda, que houve fluxo de entrada de exportadores, o que ajudou a limitar o avanço da moeda no segmento à vista.

A forte demanda por dólares nesta terça-feira encontrou respaldo tanto no comportamento do mercado externo, onde a moeda subiu ante o euro e iene e também em relação às divisas de mercados emergentes, quanto no noticiário local. Pela manhã, a pesquisa CNT/MDA mostrou as candidatas à Presidência Marina Silva (PSB) e Dilma Rousseff (PT) empatadas tecnicamente em uma simulação de segundo turno, com 45,5% e 42,7%, respectivamente. Para o primeiro turno, a pesquisa apontou que Dilma obteve 38,1% das intenções de voto e Marina, 33,5%. Em relação à sondagem passada, a diferença entre as duas caiu, já que Dilma tinha no primeiro turno 34,2%, e Marina, 28,2%. O diretor do MDA, Marcelo Souza, afirmou que não enxerga mais uma tendência de crescimento nas intenções de voto da candidata do PSB.

O mercado já tinha antecipado esse quadro na véspera, mas, mesmo assim, reagiu negativamente aos números. Agora, os investidores aguardam os dados do Datafolha previstos para ainda hoje.

Mal o investidor tinha absorvido os dados da CNT/MDA, o dólar acelerou os ganhos ante o real com o anúncio da Moody's, de revisão da perspectiva da nota soberana BAA2 do Brasil, de estável para negativa. Como argumento, a agência citou a redução "sustentada" no crescimento econômico, a deterioração "acentuada" no sentimento do investidor e os desafios fiscais.

Tudo o que sabemos sobre:
dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.