Dow Jones cai 0,40% com aposta menor de corte no juro

A queda das ações em Nova York se acelerou à tarde, com os investidores que buscavam estabilidade após uma semana volátil dando maior peso aos dados de inflação acima do esperado, que reduziram as esperanças de que o banco central dos EUA (Federal Reserve, ou Fed) corte os juros para estimular a economia. Após subir no início da sessão, o Dow Jones estava em queda de 48 pontos, ou 0,40%, em 12.111 pontos às 16h30 (de Brasília). De seus 30 componentes, 24 estavam em queda. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) subiu 0,4% em fevereiro, acima do esperado (0,3%). O núcleo, que exclui os voláteis preços de alimentos e energia, subiu 0,2%, em linha com as previsões. "Os números da inflação não trouxeram conforto", disse o estrategista de mercado Barry Hyman, da EKN Financial. Os investidores esperavam que o Fed, que se reúne na próxima semana, corte os juros em breve para evitar que a liquidez do sistema financeiro seque, uma vez que o temor de um aperto no crédito seja desencadeado por uma crise no mercado de crédito imobiliário a clientes de alto risco (conhecido como subprime). Os números da inflação tiraram essa possibilidade de cena no curto prazo, portanto, a queda do mercado não é uma surpresa, comentou Hyman. Alcoa, American Express, Citigroup, JP Morgan Chase lideravam a lista de baixas. Entre os papéis em alta apareciam Hewlett-Packard (+0,6%), após anunciar mais US$ 8 bilhões para o plano de recompra de ações, Microsoft (+0,4%), que teve uma vitória parcial em sua disputa sobre patentes com a Alcatel-Lucent, e Wal-Mart (+0,4%), reagindo a notícias de que abandonou os planos de lançar uma companhia de crédito industrial. Com um dilúvio de más notícias para o mercado subprime nas últimas semanas, os investidores ficaram temerosos de que grandes instituições financeiras seriam atingidas. Mas o fato de "o Goldman Sachs e outros (bancos de investimentos) terem apresentado sólidos ganhos ajudou a manter as coisas mais calmas, que é o que precisamos para restaurar a confiança", disse o diretor de estratégia para renda variável da Joseph Stevens, Donald Selkin. A Accredited Home Lenders, que perdeu cerca de 75% de seu valor desde o início do ano, disse que estava vendendo praticamente toda a sua carteira de crédito de US$ 2,7 bilhões com um desconto substancial para atender chamadas de margem. A ação subiu 17%. A financeira de hipotecas Fremont General subiu 13% após informar que o Credit Suisse ampliou sua linha de crédito para US$ 1 bilhão. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.