Dow Jones fecha em baixa com Livro Bege e alta do iene

O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, terminou em queda, depois de manter alta moderada por boa parte da tarde, com os investidores preferindo consolidar os ganhos de ontem, enquanto digeriam os novos sinais de desaceleração da economia norte-americana contidos no Livro Bege e o avanço do petróleo. Perto do fim do pregão, pesou sobre o mercado acionário a retomada da alta do iene em relação ao dólar. O Livro Bege, relatório elaborado pelas 12 regionais do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) sobre as condições econômicas atuais, que servirá de base para a decisão de política monetária da reunião dos dias 20 e 21 do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc), apontou crescimento "modesto" na maior parte das áreas e desaceleração em um terço do país, incluindo regiões importantes como Nova York, Saint Louis, Boston e Dallas. No front da inflação, o relatório mostrou pouca alteração na pressão de preços. Quando o Fed descreveu o crescimento como modesto com pressão inflacionária, os investidores se voltaram para os títulos do Tesouro norte-americano (Treasuries). Os preços dos títulos subiram e o juro projetado pelo papel de dez anos caiu abaixo de 4,50% ao ano. As ações e bônus vêm mostrando influência mútua direta há mais de uma semana. Enquanto os mercados de ações sofrem pesadas perdas em meio aos temores de uma piora no cenário econômico, o mercado de bônus se beneficia dos recursos de investidores que buscam fugir do risco. Os analistas lembram que o mercado segue em compasso de espera pelos dados do relatório do mercado de mão-de-obra de fevereiro, que saem na sexta-feira. O relatório da consultoria ADP divulgado esta manhã indicou que foram criadas apenas 57 mil vagas em fevereiro no setor privado, o menor número desde julho de 2003. No mercado de câmbio, quando o Fed sugeriu que o crescimento dos EUA dá sinais de enfraquecimento, os investidores começaram a comprar euros e vender dólares, levando o euro a uma máxima no dia de US$ 1,3187. O dólar também cedeu terreno em relação ao iene. No fim da tarde em Nova York, o dólar era negociado em 116,09 ienes, de 116,66 ienes ontem, e o euro estava em US$ 1,3178, de US$ 1,3125 ontem. Entre os componentes do Dow Jones, Exxon Mobil subiu 0,9%, acompanhando a alta de 1,86% no petróleo após a surpreendente queda nos dados semanais de estoques norte-americanos do produto. Além disso, a gigante do petróleo apresentou perspectivas otimistas no encontro anual de primavera com analistas. Hewlett-Packard liderou a lista de altas do Dow Jones, subindo 1,9% após anunciar que solucionou as questões de violação de patentes de cartuchos de tinta com a Ninestar. A empresa com sede na China reconheceu as patentes da HP e aceitou suspender as vendas de alguns cartuchos nos EUA e outros países. O índice Dow Jones fechou em baixa de 15,14 pontos, ou 0,12%, em 12.192,45 pontos. A mínima foi em 12.178,99 pontos e a máxima em 12.256,94 pontos. O Nasdaq caiu 10,50 pontos, ou 0,44%, e fechou em 2.374,64 pontos. A mínima foi de 2.371,92 pontos e a máxima de 2.388,78 pontos. O Standard & Poor's-500 recuou 3,44 pontos, ou 0,25%, para 1.391,97 pontos. O NYSE Composite caiu 6,81 pontos, ou 0,08%, para 8.999,20 pontos. O volume negociado na NYSE caiu para 1,72 bilhão de ações, de 1,84 bilhão de ações ontem; 1.671 ações subiram, 1.632 caíram e 136 fecharam nos mesmos níveis de ontem. No Nasdaq, o volume alcançou 2.060 bilhões de ações negociadas, de 2,220 bilhões ontem, com 1.289 ações fechando em alta e 1.730 em queda. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.