Dow Jones fecha em nível recorde, o 27º desde outubro

O mercado norte-americano de ações fechou em alta, com o índice Dow Jones encerrando o pregão em novo nível recorde (o 27º desde 3 de outubro de 2006; desde aquele dia, o índice subiu 8,1%). O Nasdaq fechou em alta pelo quinto pregão consecutivo. "Na abertura do pregão de ontem, o mercado estava estável no ano e a reação ao comunicado do Fed (Federal Reserve, banco central dos EUA) realmente pôs as coisas em movimento. Os investidores finalmente chegaram a uma conclusão sobre o que acontecerá com as taxas de juro em 2007, comentou o analista-chefe da Jefferies, Art Hogan. As ações da fabricante de microcomputadores Dell fecharam em queda de 1,7%, depois de terem chegado a subir 5,3%; os investidores inicialmente reagiram com entusiasmo ao anúncio de que o fundador da empresa, Michael Dell, voltará a ser o CEO. As ações da Hewlett-Packard, principal concorrente da Dell no mercado de PCs, recuaram 2,1%. Ainda no setor de tecnologia, as ações do Google caíram 3,9%, em reação a seu informe de resultados. No setor de petróleo, as ações da Exxon Mobil, que também divulgou resultados, subiram 1,3%. No setor financeiro, as ações da Lehman Brothers subiram 3,3%, depois de a empresa anunciar um aumento de 25% no dividendo trimestral. O índice Dow Jones fechou em alta de 51,99 pontos, ou 0,41%, em 12.637,68 pontos. A mínima foi em 12.616,08 pontos e a máxima em 12.682,57 pontos. O Nasdaq encerrou com ganho de 4,45 pontos, ou 0,18%, em 2.468,38 pontos, com mínima em 2.458,71 pontos e máxima em 2,481,38 pontos. O Standard & Poor's-500 subiu 7,70 pontos, ou 0,54%, para 1.445,94 pontos. O NYSE Composite avançou 72,96 pontos, ou 0,79%, para 9.327,69 pontos. O volume negociado na NYSE ficou em 1,745 bilhão de ações, de 1,781 bilhão ontem; 2.450 ações subiram, 878 caíram e 116 fecharam nos mesmos níveis de ontem. No Nasdaq, o volume ficou em 2,231 bilhão de ações negociadas, o mesmo de ontem, com 1.959 ações fechando em alta e 1.709 em queda. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.