Dow Jones reduz queda no fechamento em dia volátil

As ações norte-americanas não conseguiram fechar em alta, mas se recuperaram da forte queda do início do dia. Pela manhã, o índice Dow Jones ficou quase 5% abaixo das máximas de fevereiro atingidas na semana passada, o que colocou um piso para os preços, segundo analistas. No fechamento, o índice das blue chips (ações de primeira linha) limitou a queda a 34,3 pontos, 0,28%, depois de cair 200 pontos logo após a abertura. Entre os componentes do Dow Jones que favoreceram a recuperação no fim da tarde se destacavam Boeing (+0,7%), McDonald´s (+0,9%) e Citigroup (+1,4%). Na lista de quedas apareciam HP (-1,1%), Intel (-1,4%), Alcoa (-0,4%), Caterpillar (-0,8%), AT&T (-0,2%) e United Technologies (-0,8%). General Motors caiu 1,3% mesmo tendo registrado um inesperado aumento de 3,4% nas vendas em fevereiro. Motorola subiu 1,7% após informar que o investidor bilionário Carl Icahn, como pessoa física e por meio de vários veículos de investimentos que ele controla, notificou que planeja comprar mais de US$ 1 bilhão em ações da fabricante de equipamentos de comunicação. O volume de negócios continuou elevado, assim como a volatilidade, o que reflete o nervosismo dos investidores. A queda na abertura se deveu a mais um recuo das ações na Ásia - apenas dois dias depois de a queda de 9% na Bolsa de Xangai ter dado início ao pior dia das Bolsas em Nova York desde 2001 - , às preocupações com o mercado de crédito hipotecário e ao temor de recessão nos EUA. Este temor foi aliviado com a divulgação, às 12 horas (de Brasília), de que o índice de atividade industrial do Instituto para Gestão de Oferta (ISM) subiu para 52,3 em fevereiro, superando as expectativas de que subiria de 49,3 em janeiro para 50,0 no mês passado. Acima de 50, o índice aponta crescimento das atividades na indústria. A volatilidade cedeu no fim da tarde, mas os mercados continuaram nervosos. O índice VIX, de volatilidade implícita sobre as opções do índice S&P 500, considerado um indicador de aversão ao risco, desacelerava a alta para 2,59%, depois de subir 25,80% pela manhã. Os participantes do mercado temem especificamente que um aperto monetário no Japão e na China restrinja o fluxo de dinheiro fácil que ajudou a impulsionar os preços dos ativos globais nos últimos anos, incluindo os bônus e as ações dos EUA. O índice Dow Jones fechou em queda de 34,29 pontos, ou 0,28%, em 12.234,34 pontos. A mínima foi em 12.059,54 pontos e a máxima em 12.289,22 pontos. O Nasdaq fechou em baixa de 11,94 pontos, ou 0,49%, em 2.404,21 pontos, com mínima em 2.359,44 pontos e máxima em 2.419,15 pontos. O Standard & Poor's-500 recuou 3,65 pontos, ou 0,26%, para 1.403,17 pontos. O NYSE Composite caiu 50,27 pontos (0,55%), para 9.074,27 pontos. O volume negociado na NYSE alcançou 2,23 bilhões de ações, de 2,26 bilhões de ontem; 1.309 ações subiram, 1.982 caíram e 139 fecharam nos mesmos níveis de ontem. No Nasdaq, o volume alcançou 2,805 bilhões de ações negociadas, de 2,707 bilhões de ações ontem, com 1.053 ações fechando em alta e 2.004 em queda. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.