Dow Jones tem nova máxima com retração do petróleo

O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, atingiu hoje uma nova máxima recorde de durante um pregão, com a queda dos preços do petróleo voltando a estimular as compras, a despeito do dado mais fraco de atividade no setor de serviços nos EUA em setembro e da revisão em baixa da previsão de vendas da Wal-Mart para setembro. O indicador tocou a máxima de 11.778,7 pontos, segundo dados da Comstock, mas oscilava em torno dos 11.778,2 pontos, com alta de 0,43%, por volta das 12h21. O Nasdaq subia 0,98% e o S&P 500, 0,39%. O petróleo para novembro inverteu o movimento de alta do início da manhã e cedia 1,06%, para US$ 58,06, na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex). O Instituto para Gestão de Oferta (ISM, ex-NAPM) informou que seu índice de atividade dos gerentes de compras referente ao setor de serviços cedeu de 57 para 52,9 em setembro. Os economistas previam recuo do índice para 56,0 em setembro. O componente que reflete os preços cedeu de 72,4 em agosto, para 56,7, a previsão era 65,0 em setembro. Outros dados foram bons, com o componente de emprego subindo de 51,4 para 53,6. A previsão era 52,0 em setembro. As ações da Wal-Mart também limitavam o Dow Jones. Os papéis da rede cediam 1,13%. A maior rede varejista dos EUA previu que suas vendas em mesmas lojas devem crescer 1,3% em setembro, abaixo da estimativa anterior de expansão de 1,8%. A empresa atribuiu o novo enxugamento de previsões ao "processo de reconciliação mensal que a companhia está ampliando para determinar o percentual de vendas comparáveis". A previsão original era de crescimento das vendas de 1% a 3%. No último domingo, no entanto, a empresa cortou sua previsão para 1,8%. Em setembro do ano passado, os resultados foram influenciados por vendas de bens feitas antes e depois dos furacões Katrina e Rita. Os analistas se decepcionaram com a revisão das metas da Wal-Mart, já que esperavam que a queda dos preços da gasolina tivesse um efeito positivo nos números da empresa. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.