Droga Raia entra com pedido de oferta primária e secundária na CVM

Empresa é a uma das cinco maiores redes de drogarias do País em receita e a terceira maior em número de lojas, de acordo com a Abrafarma

Vinícius Pinheiro, da Agência Estado,

26 de outubro de 2010 | 14h09

A Droga Raia protocolou na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) pedido de registro de oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês). A operação será primária e secundária, ou seja, os recursos captados dos investidores irão para o caixa da companhia para os acionistas que venderem papéis na oferta.

A empresa é a uma das cinco maiores redes de drogarias do País em receita e a terceira maior em número de lojas, de acordo com a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma).

 

Em setembro de 2008, a Droga Raia recebeu aporte da Gávea Investimentos, do ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, e da Pragma Patrimônio, que detêm 30% do capital da companhia. Ambos pretendem vender parte da participação que possuem na oferta.

 

Na minuta do prospecto preliminar da emissão, a Droga Raia informa que pretende usar os recursos do IPO para investimentos em ativos fixos e em capital de giro na abertura de novas lojas e reformas nas unidades já existentes e na redução do endividamento de longo prazo.

 

O Itaú BBA será o coordenador líder do IPO. O banco atuará na operação ao lado do Credit Suisse e do BB Banco de Investimento.

Tudo o que sabemos sobre:
Droga RaiaCVMIPO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.