ADEK BERRY/AFP
ADEK BERRY/AFP

'Efeito Bolsonaro' segura dólar e Bolsa sobe com cenário internacional

Dados da pesquisa Ibope/Estadão/TV Globo divulgada na terça-feira, 11, apontaram que eleitores do candidato do PSL se tornaram mais convictos

Broadcast

12 Setembro 2018 | 13h12
Atualizado 12 Setembro 2018 | 18h12

O resultado da última pesquisa de intenções de voto, que mostrou o eleitorado mais convicto em colocar o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, no segundo turno repercutiu no mercado nesta quarta-feira, 12. O dólar, que fechou o dia anterior cotado a R$ 4,15, permaneceu estável, em ligeira queda de 0,11%, aos R$ 4,1511. Já a Bolsa, também impulsionada pelo cenário externo, registrou alta de 0,63%, ante queda de 21,3% na véspera.

Dados da pesquisa de intenção de voto Ibope/Estadão/TV Globo divulgada na terça-feira, 11, apontaram que após o atentado contra o candidato do PSL nas eleições 2018, Jair Bolsonaro, seu eleitorado se tornou mais convicto - que reduz as chances de ele ficar de fora do segundo turno -  e se concentrou ainda mais no segmento masculino. 

A parcela de bolsonaristas que afirmam que sua escolha é “definitiva e não mudará de jeito nenhum” deu um salto de 13 pontos porcentuais entre a pesquisa Ibope divulgada em 5 de setembro e a do dia 11. Na semana anterior, a ala convicta era 41% do eleitorado do candidato. Agora, essa taxa subiu para 54%.

Esse resultado acalmou o mercado, que vê no candidato do PSL um perfil pró-reformas econômica, como da Previdência. O candidato tem seu programa escorado no economista Paulo Guedes.

O Ibope ouviu 2.002 eleitores em 145 municípios de todo o país. A margem de erro do levantamento é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro. O registro no Tribunal Superior Eleitoral foi feito sob o protocolo  BR-05221/2018. A pesquisa foi custeada pelo próprio Ibope.

Bolsa de valores

No mercado de capitais, o Ibovespa registrou alta de 0,63%, um dia após queda de 2,3%. A principal cesta de ações comercializadas no Brasil fechou o dia 75.124,81 pontos, acompanhando o movimento das bolsas internacionais.

As bolsas de Nova York e da Europa atingiram máximas após a informação de que os EUA propuseram à China uma nova rodada de negociações comerciais, em um esforço para dar a Pequim outra oportunidade de abordar preocupações de Washington sobre questões comerciais antes que a administração do presidente americano, Donald Trump, implemente tarifas adicionais sobre as importações chinesas, segundo fontes ouvidas pela Dow Jones Newswires. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.