Eleições europeias e ucranianas puxam bolsas na região

Resultados dos pleitos deram alívio aos investidores, em dia de mercados esvaziados pelos feriados no Reino Unido e nos Estados Unidos

26 de maio de 2014 | 14h41

As bolsas europeias fecharam em alta nesta segunda-feira, 26, impulsionadas pelo alívio dos investidores com o resultado das eleições na Ucrânia e no Parlamento Europeu, realizadas no fim de semana. Os mercados foram esvaziados pelos feriados no Reino Unido e nos Estados Unidos. O índice Stoxx 600 subiu 0,56%, a 343,69 pontos.

Apesar do avanço de partidos contrários às políticas europeias nas eleições legislativas, encerradas ontem, o Parlamento Europeu continua sendo dominado por siglas tradicionais. Economistas e estrategistas disseram que investidores já haviam precificado um avanço dos "eurocéticos", sinalizado por pesquisas prévias às eleições. A votação presidencial na Ucrânia, que foi definida no primeiro turno com a vitória do bilionário pró-ocidental Petro Poroshenko, alimentou o sentimento positivo.

O índice FTSE Mib, da Bolsa de Milão, subiu 3,61% e fechou a 21.493,87 pontos, na máxima do dia. Das 10 maiores altas do Stoxx 600, oito foram de empresas italianas, incluindo a Telecom Italia, que subiu 6,45%, e o Banca Popolare dell''Emilia Romagna, que avançou 9,22%.

A sigla de centro-esquerda italiana Partido Democrático, do governo, conquistou mais de 40% dos votos nas eleições para o Parlamento Europeu no domingo, o dobro do obtido pelo partido eurocético Movimento Cinco Estrelas. "O resultado é muito positivo para as próximas reformas que a Itália precisa fazer", disse Alberto Gallo, estrategista de crédito do Royal Bank of Scotland.

O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, subiu 0,75% e encerrou na máxima do dia, a 4.526,93 pontos, também devido ao maior otimismo dos investidores com o resultado das eleições europeias e ucranianas, segundo um operador. Os papéis da Accor subiram 2,99%, enquanto as ações da Vallourec avançaram 2,06%. Fora do CAC-40, a Atos se valorizou 6,22%, depois de fazer uma oferta pela concorrente Bull.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice DAX subiu 1,28%, a 9.892,82 pontos. Resultados preliminares mostrando uma vitória do partido União Democrata Cristã, de Angela Merkel, e dos Socialistas Cristãos nas eleições europeias parecem ter animado investidores. "Parece pouco claro se os resultados das eleições para o Parlamento Europeu terão qualquer impacto significativo e duradouro sobre os mercados financeiros além do início desta semana", disse o estrategista Frederik Ducrozet, do Crédit Agricole.

Falando em Portugal, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, assinalou que a instituição está avaliando várias medidas, desde cortes de taxas de juros até novos empréstimos bancários e compras de ativos em larga escala, para evitar que inflação excessivamente baixa mine a nascente recuperação econômica da zona do euro.

Ainda no noticiário corporativo, a gigante farmacêutica norte-americana Pfizer disse que desistirá de tentar comprar a britânica AstraZeneca. A AstraZeneca recusou este mês uma proposta de US$ 120 bilhões da Pfizer. Mas a Bolsa de Londres, onde as ações da AstraZeneca são negociadas, permaneceu fechada hoje por feriado bancário.

Em Madri, a alta do índice IBEX 35 foi de 1,22%, a 10.687,50 pontos, enquanto o índice PSI 20, da Bolsa de Lisboa, terminou o dia com valorização de 1,02%, a 6.988,01 pontos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsas de Valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.