Eletrobras: assembleia aprova aquisição de 51% da Celg

Os acionistas da Eletrobras aprovaram nesta sexta-feira em Assembleia Geral Extraordinária a aquisição de 51% de participação na Celg, a companhia distribuidora de energia do Estado de Goiás. A operação, avaliada em R$ 59,5 milhões já havia sido aprovada pelo conselho de administração da companhia e tem a anuência da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) desde março deste ano.

EDUARDO RODRIGUES, Estadão Conteúdo

26 de setembro de 2014 | 11h29

Em grave situação financeira, a distribuidora era a última no ranking da Aneel sobre a qualidade do serviço até o começo de 2014. A empresa, que era mantida pelo governo do Estado de Goiás, vinha tendo sua "federalização" discutida na Eletrobras e no Ministério de Minas e Energia desde o início de 2012. A Celg atende 237 municípios goianos, que correspondem a 98,7% do Estado.

Com a aquisição do controle da empresa, a Eletrobras passa a contar com sete companhias de distribuição em seu portfólio - do Piauí, de Roraima, do Acre, de Rondônia, do Amazonas, e do Alagoas e de Goiás. Em todos os casos, as companhias eram originalmente administradas pelos governos estaduais, que sofriam com problemas financeiros.

No último dia 12, um despacho do ministro da Fazenda, Guido Mantega, autorizou a garantia da União para um financiamento de R$ 1,9 bilhão da Caixa Econômica Federal à Celgpar, que controlava a distribuidora goiana. Os recursos devem ser usados para pagar dívidas da empresa e ainda como capital de giro. Essa teria sido uma das exigências da Eletrobras para assumir de uma vez por todas a companhia. A assembleia geral de acionistas também ratificou a contratação da Deloitte Touche Tohmatsu Consultores como empresa responsável pela elaboração dos laudos de avaliação da Celg e aprovou os respectivos documentos.

Tudo o que sabemos sobre:
EletrobrasassembleiaCelg

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.