Em busca de liquidez, MMX listará ações em Toronto

A mineradora MMX prepara a listagem de suas ações na Bolsa de Toronto a partir de novembro. O objetivo é aumentar a visibilidade da companhia no exterior e a liquidez dos papéis, que no Brasil tiveram que ser vendidos a preços altos por determinação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). "No road show que fizemos antes do IPO (oferta pública inicial), percebemos que muitos fundos não puderam comprar no Brasil, porque seus regulamentos só permitem investimentos em empresas que estejam listadas no exterior", disse em entrevista hoje o presidente da companhia, Eike Batista. Foi a primeira entrevista da empresa depois do período de silêncio imposto pela CVM após o IPO. Batista disse que, após a listagem em Toronto, a mineradora vai avaliar as bolsas de Londres e, mais tarde, de Nova York. Segundo o executivo, a estréia em bolsas internacionais pode acelerar o prazo de split das ações no Brasil que, por determinação da CVM, só pode ser concluído no início de 2008. "Lá, poderemos ter preços menores nos papéis e seremos fiscalizados com regras internacionais", avaliou. A CVM alegou que, por ser uma empresa pré-operacional, a MMX teria que vender ações a preços mais altos, apenas para investidores profissionais. O objetivo da companhia é chegar a R$ 20,40 por ação, para garantir liquidez - no IPO, os papéis foram vendidos a R$ 815.

Agencia Estado,

19 de setembro de 2006 | 15h02

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.